O rebanho bovino atingiu a marca de 214,7 milhões de cabeças - Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias

Em 2019, Pinhão tinha um rebanho bovino de mais de 60 mil cabeças, segundo pesquisa do IBGE

Redação Fatos do Iguaçu

De acordo com a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), divulgada hoje (15) pelo IBGE, em 2019 o município de Pinhão -Pr, possuía um rebanho bovino com 60.690 cabeças e no município de Reserva do Iguaçu eram. 27.222. O estado do Paraná fechou 2019 com 8.971.675 cabeças de gado.

BRASIL

O rebanho bovino voltou a crescer em 2019, após dois anos consecutivos em queda, segundo a pesquisa. A leve alta de 0,4% garantiu a marca de 214,7 milhões de cabeças de gado, o que mantém o Brasil como o segundo maior rebanho bovino do mundo e o principal exportador desse tipo de carne.

“Em 2019, verificamos uma queda na participação das fêmeas no abate, sugerindo uma transição do ciclo de baixa para o de alta da pecuária, que é quando o produtor passa a reter fêmeas devido aos bons preços de mercado”, explica a supervisora da pesquisa Mariana Oliveira. Além disso, ela lembra que o ano foi marcado pelo recorde de carne bovina exportada, especialmente para a China, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior, o que incentiva a produção de bovinos.

Essa leve recuperação foi puxada pelo estado do Mato Grosso, que aumentou seu rebanho em 5,1% e segue como estado com mais cabeças de gado, 31,7 milhões, respondendo por 14,8% do total nacional. Entre as grandes regiões, o maior crescimento de rebanho bovino ocorreu no Nordeste, avançando 2,7%. O Centro-Oeste, contudo, concentrou um terço do rebanho do país (34,5%), seguido pelo Norte (23,1%), que vem crescendo nos últimos anos.

A cidade de São Félix do Xingu (PA) continuou líder no ranking de bovinos do país, com 2,2 milhões de cabeças de gado. Corumbá (MS) seguiu em segundo lugar (1,8 milhão). Já Vila Bela da Santíssima Trindade (MT) despontou da sétima posição em 2018 para a terceira devido a alta de 14,0% do seu rebanho, somando 1,2 milhão de animais.

Fonte: IBGE

Faça seu comentário