deputada e procuradora da mulher Cristina Silvestri | Foto: Ascom

‘Sinal Vermelho’ que fortalece proteção à mulher é sancionado

Lei foi articulada pela deputada Cristina Silvestri após funcionamento efetivo da campanha no Paraná em 2020

Redação Fatos do Iguaçu com Assessoria

O governador Ratinho Júnior sancionou o projeto de lei que institucionaliza no Paraná o programa Sinal Vermelho como ferramenta aliada do combate à violência doméstica e familiar. A legislação, publicada com o número 20.595/2021, é de autoria da deputada e procuradora da mulher Cristina Silvestri, com coautoria das deputadas Mabel Canto, Cantora Mara Lima, Luciana Rafagnin, Maria Victoria e pelo deputado Romanelli.

“A sanção desta lei é motivo de muito orgulho, mostrando mais uma vez a atuação firme da Procuradoria da Mulher na articulação de projetos que beneficiam as paranaenses. Agora nós contamos com o apoio do Executivo para que essa lei seja regulamentada e que sejam feitas campanhas periódicas de longo alcance, para que cada vez mais mulheres saibam que podem pedir ajuda mostrando o X na mão”.

Antes de ser lei, o Sinal Vermelho foi uma campanha de conscientização realizada no Paraná em 2020, no início da pandemia, quando mulheres eram incentivadas a denunciarem violência mostrando um X vermelho na mão em farmácias. Na época, como reflexo do isolamento, a medida veio para combater o crescimento dos casos de violência.

Com a lei, a proposta é ampliada, e esse mecanismo de ajuda silenciosa poderá ser usado em estabelecimentos variados, como shoppings, lojas, portarias de condomínios, além de repartições públicas.

“Com o apoio do Governo nós poderemos ampliar a informação de funcionamento do Sinal Vermelho, permitindo que essa forma de pedir ajuda chegue ao conhecimento de mais mulheres e, também, de mais estabelecimentos comerciais. Assim, quando algum funcionário ver a mulher mostrar o sinal, sabe que deverá chamar a Polícia Militar imediatamente”, detalhou Cristina, frisando que o projeto que originou a lei foi apresentado pela Procuradoria a pedido da Associação dos Magistrados do Brasil (AMB) e Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

AMPLIAÇÃO

O pedido de socorro é um dos meios previstos na Lei Maria da Penha. Com ele, a mulher pode solicitar ajuda sem se expor para o agressor. Ao visualizar o pedido, a pessoa deve coletar o nome da vítima, endereço ou telefone e ligar imediatamente para o telefone de emergência da Polícia Militar, o 190.

Com a sanção da nova lei, o governo fica autorizado a promover ações de integração e cooperação para dar visibilidade à iniciativa. O objetivo é envolver o Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, órgãos de segurança pública, Associação dos Magistrados do Paraná (Amapar), AMB, CNJ, além de associações e organizações da sociedade civil e instituições representativas do setor.

LEIA TAMBÉM:

Veto do prefeito no projeto de lei das pulseiras causou mal-estar no legislativo

Na segunda-feira,07, inicia a vacinação das pessoas com 59 anos

Mulher é agredida por seu convivente ao voltar do trabalho

Naor Coelho

Naor Coelho, administrador de empresa, jornalista e o diretor responsável pelo Fatos do Iguaçu

Naor Coelho has 8857 posts and counting. See all posts by Naor Coelho

Faça seu comentário