Um pedacinho de Faxinal do Céu em Pinhão-Pr | Foto: Naor Coelho

Copel: Faxinal do Céu, sem destino definido

O Estado ainda não se manifestou, afinal, a Copel também é pública

Redação Fatos do Iguaçu

Na quarta-feira, 17, Fatos do Iguaçu publicou a reportagem “Agoniza a Vila Residencial da Copel em Faxinal do Céu”, registrando a situação de desmonte por parte da Copel da Vila Residencial de Faxinal do Céu e de toda a estrutura de pesquisa com o Jardim Botânico e dos investimentos em dois anfiteatros e demais estruturas, sem falar nas mais de cem demissões, que ainda não chegaram ao final.

Posicionamento da Copel

Antes de realizar a reportagem, a jornalista Nara Coelho, entrou em contato com a assessoria de imprensa da Copel, questionando a destinação dada a todo o conjunto que compõe a estrutura da Vila Residencial de Faxinal do Céu e se a informação que tínhamos da desativação da Fundação Fundere era verdadeira.

Na quinta-feira, 18 de fevereiro, a assessoria enviou a seguinte resposta, “Conforme informado anteriormente, a Copel permanece avaliando as alternativas possíveis de destinação e aproveitamento das estruturas, mas ainda não há definição a esse respeito.”

A primeira resposta

A empresa Copel ao dizer “Conforme informado anteriormente… “, está se referindo ao questionamento feito na data de 17/08/2020 sobre as mesmas questões, resposta que foi publicada na reportagem Copel: Vila Residencial de Faxinal do Céu e Segredo em via de desativação, na data de 19/08/20.

Contradições das respostas

Na reposta dada em agosto/20 a empresa afirmou, “Não há até o momento deliberação que implique em demissão de pessoas”. Daquela data até hoje já foram demitidos mais de 100 funcionários das empresas terceirizadas.

Uma empresa do porte da Copel não resolve os problemas na hora que eles aparecem, realizam planejamento a longo, médio e curto prazo, assim, fica muito incoerente a empresa afirmar que está estudando alternativas e ainda não ter definido nenhuma.   

Verifica-se na integra da resposta da empresa que ela hoje visa geração, transmissão de energia elétrica, ou seja, lucro, ignorando por completo que para isso ela destruiu o meio ambiente, interferiu e interfere na vida de centenas de pessoas.

O Estado

É sempre bom lembrar que a Copel é uma empresa de capital misto, ou seja, está sob o comando também do governo do Estado, e até onde se pode compreender, o Estado existe para cuidar e defender dos interesses comuns dos cidadãos, que a eles sejam garantidos os direitos básicos, assim, fica a pergunta e “qual é a posição do governo do Estado em relação ao desmonte de Faxinal do Céu”?

LEIA TAMBÉM:

Jardim Botânico agora tem espaço de acolhimento ao visitante

Ratinho Junior esteve nesta terça-feira (22) na estrutura da Copel em Pinhão

Faça seu comentário