O valor da vida

Estamos encerrando o setembro amarelo, uma campanha a favor da vida. Pesquisas revelam que aumentam a cada ano o índice de suicídio. É interessante observar que países bem desenvolvidos apresentam os maiores índices de suicídio, como Japão, Nova Zelândia, Coréia do Sul e outros. Chegando mais perto, vemos, em nosso próprio município, vários casos de suicídio. Quando falamos do milagre da vida, precisamos olhar para ela como um presente e um grande privilégio, pois – estamos vivos. É claro que a vida é marcada por ganhos e perdas, alegrias e tristezas, paz, traumas, dores, choro, dificuldades, dilemas e outros. o sofrimento, querendo ou não, está no enredo de nossas vidas. a grande questão é – como enfrentamos as adversidades? Como encaramos as perdas? O que fazemos quando o chão desaparece debaixo de nossos pés? O grande problema hoje é que as pessoas estão tão voltadas para si mesmas que tem dificuldade de encontrar alguém para desabafar, para conversar. E, quando encontram, aparentam que está tudo bem, quando na verdade, não está. Precisamos encontrar amigos mais chegados que irmãos para compartilhar as nossas lutas e dores e não simplesmente nossas conquistas; e precisamos animar uns aos outros, falta muito isso hoje. Outra questão é, estamos fazendo tanta coisa ao mesmo tempo, e correndo tanto, que não paramos para refletir, para respirar, para colocar em ordem nossos pensamentos e emoções, e vamos vivendo, até que chega o dia em que tudo isso pesa demais e então ficamos angustiados. O trabalho é importante, mas não podemos o definir como sendo o valor máximo de nossa vida. Outro grave problema é o guardar aquilo que não deveríamos guardar, vamos enchendo nossa mente e coração com problemas, decepções, duvidas e outras coisas, até não aguentarmos mais. De tempos em tempos precisamos esvaziar nossa vida de coisas não valem a pena, não deixe acumular a mágoa, a indiferença, a tristeza,  a decepção e outros mais, alivie a carga. Creio que o valor da vida está em você reconhecer suas fragilidades, tem dias que nos sentimos mais animados, outros nem tanto. Quando reconhecemos nossas limitações temos a oportunidade de recomeçar, de restaurar, reanimar, se fortalecer. O problema é que somos excelentes para observar que o outro está triste, mas não conseguimos ou não queremos enxergar a tristeza em nosso próprio coração. Outra questão, é que precisamos lutar contra nós mesmos, contra a desesperança, precisamos declarar guerra ao desânimo, a angústia, a falta de sentido. Enfim precisamos reconhecer que o valor da vida não está naquilo que temos, ou naquilo que poderemos alcançar um dia. Para que de fato possamos viver uma vida maiúscula, cheia de sentido, valorosa, precisamos entregar tudo o que somos e temos, nossas emoções e crises diante Daquele, que é o dono do Universo, o Criador – o ETERNO DEUS. Sendo Ele o Criador, Ele sabe como funcionamos, Ele conhece as nossas lutas e dificuldades, Ele pode trazer alento, renovo, quando a vida perde o sentido. Quando as situações forem adversas, quando o contexto não for favorável, busque a ajuda do Alto, mesmo sem forças, mesmo sem querer, mesmo desanimado, mesmo sem vontade de viver, clame a Deus. Lembre-se, Deus nos ajuda a enxergar o verdadeiro valor da vida, e assim nos ajuda a aproveitar cada segundo, cada momento desta dádiva maravilhosa chamada VIDA.  Viva a vida não se esquecendo que o valor da vida está Naquele que é o doador da Vida; E não se esqueça que isso é um exercício diário. VIVA A VIDA, MESMO COM SUAS COMPLICAÇÕES.

Rev Sandro – pastor da Igreja Presbiteriana do Pinhão

______________________________________________________________________________________

No mês de Outubro, todo domingo, as 19:30 hs, uma série de mensagens e reflexões sobre os Pilares da Reforma Protestante e suas implicações para hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − seis =

%d blogueiros gostam disto: