MACIOTA

Eu gosto mesmo

de viver só na maciota,

já nem calço minhas  botas

ando descalço no galpão,

forro bem um cepo

com pelego de “oveia”

e abraço a panela cheia

dum revirado de feijão.

De parceria,

café xucro de tropeiro,

torresmo no braseiro

polenta e ovo mal frito,

estico as pernas

do uma raleada nos dedos,

sentindo o calor do brasedo,

igual eu – também proscrito.

Outra dia conto o resto, enquanto lonqueio algum tento.

Na garupa da Lua – Julho/2017

Marcos Serpa de Lima

Escritor e Compositor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 5 =

%d blogueiros gostam disto: