Francisco Carlos Caldas

Inscreva-se em nosso canal no Youtube e ative o sininho para acompanhar nossas transmissões ao vivo.

Vida de pobre não é fácil, e situação ainda mais caótica e cruel, em favelas, cortiços, áreas de invasões urbanas que alagam, desmoronam, e assentamentos com barracos de lona, compensados, rejeitos.

No interior, zonas rurais as coisas não são fáceis, mas se vive ou sobrevive com menos, e água e alimentação básica, mais acessíveis.

Hoje no mapa da fome, há 33,1 milhões de brasileiros.

O déficit habitacional está perto de 7  milhões de moradias e 25 milhões de moradias inadequadas, e é cruel não ter um lugar digno ainda que simples para morar, e ter que viver pagando aluguel e se mudando de um lado para outro, ou debaixo de viadutos, em cortiços, beiras de estradas, banhados, lugares vulneráveis a alagamentos e desmoronamentos.

O filósofo grego Epícuro, que viveu nos anos de 341 a 270 a.C., dizia que “Quem não considera o que tem como maior riqueza, será sempre desditoso ainda que seja dono do mundo”. E nas palavras de Arthur Schopenhauer O que somos contribui muito mais à nossa felicidade do que o que temos.”

Assim e então essa questão de estado de pobreza e riqueza é um tanto relativa, pois, ninguém é rico e feliz se não estiver contente com o que tem.

Tem um pensador, o poeta mexicano Salvador Dias Mirón,  que dizia que “Ninguém deveria ter direito ao supérfluo, enquanto uns precisassem do estritamente necessário”,.Ou ainda o dito por Pelet de La Lazère de que “Há mais pessoas desgraçadas por falta do supérfluo que pela falta do necessário.” Mas na prática, e no regime capitalista que a exemplo do regime democrático são os melhores sistemas, muitos se metem em enrascadas por falta de mecanismos de defesa, e de qualquer forma, conjuntura melhor do que o chamado socialismo e comunismo que são puras buchas e que não funcionam; assim como condomínios que são sementeiras de discórdias principalmente os de atividades rurais e tradicionais como o sistema faxinalense de criadouras comuns.

Este pensante e escriba tem origem em família do meio rural e de classe média baixa.  De padrão de vida simples, de pouca renda mas de habitação, alimentação digna e satisfatória. Esse contexto propiciou conhecimento e experiências de vida de pobre, e com noções do que é vida miserável. E que de grão em grão, a galinha enche o papo, e que devagar se vai ao longe.

Pobre  do ponto ideal e pragmático, tem que levar  vida simples, sem ostentações de querer aparentar o que não é  não tem, endividamentos e inadimplêdncias ou do contexto “calça de veludo e bunda de fora” ou “exótico mendigo esfarrapado com sapatos de verniz”, como já se  leu dito sobre o Brasil.

Temos ensinando para minha neta, que “Quem não zela do que tem, não pode reclamar do que não tem”, com o propósito de  criar nela o hábito de zelar, não perder e não danificar as cosias. E levar vida simples, que tem ligação com sabedoria. E que o SER é mais importante do que o TER, mas o melhor mesmo  é o binômio SER e TER.

No Brasil também dizem que há em torno de 64/66 milhões de endividados e muitos em estado de inadimplências. E isso e planejamento familiar, neomalthusianismo, precisa ser melhor trabalhado nas famílias, escolas, igrejas, associações comunitárias, pois gente pobre, de poucos estudos, têm que saber  lidar com essas coisas,  e se defender de tentações de colocar filhos no mundo em situação de pobreza, de falta de: habitação, de trabalho, fonte de renda e ao menos condições mínimas de vida digna, se prevenir de doenças, evitar endividamentos,  vícios  de drogas, alcoolismo,  vulgaridade e encrencas. A respeito de dívidas quem os tem, a maioria trabalha mais para os financiadores e emprestadores, numa nova espécie de escravidão não mais só de negros, mas de brancos, pardos e todos que não fazem conta e não sabem se defender da entrada fácil de dinheiro e difícil de se pagar. Em relação a encrencas.  não esquecer do dito pelo cancioneiro Adoniram BarbosaBom de briga é aquele que cai fora”.

Em síntese de tudo que foi tentado dizer acima, pobre no mínimo deveria ter, moradia, poucos filhos, vida simples sem ostentações e supérfluos; zelar do que adquirir,  precavido de vícios e doenças, não se meter em dívidas e encrencas.

(Francisco Carlos Caldas, advogado, municipalista e CIDADÃO).

Clique  👉 AQUI   – PARA LER OUTROS ARTIGOS



 


Compartilhe

Veja mais