Foto: Reprodução/Facebook

Pinhão: Vereadores desaprovam as contas de 2006 e aprovam as de 2010 do ex-prefeito José Vitorino

Redação Fatos do Iguaçu

A Câmara Municipal de Pinhão-Pr, realizou na noite de segunda-feira,30, duas sessões, uma extraordinária e a outra ordinária, sendo a 34ª sessão de 2020.

Na primeira sessão foram votadas as contas do exercício financeiro de 2010 de responsabilidade do ex-prefeito José Vitorino Prestes.

Essas contas já foram julgadas pelo legislativo em 2014 com base na decisão da sessão de 20 de março de 2012 do Tribunal de Contas do Estado do Estado do Paraná, que emitiu parecer prévio pela irregularidade das contas. Em 10 de outubro de 2014, o então presidente do legislativo, Geraldo Marineski Caldas, promulgou decreto que julgava irregulares as contas.

O ex-prefeito Vitorino entrou com o chamado “Recurso de Revista” em que foi relator o conselheiro Fabio de Souza Camargo e o processo sofreu uma reviravolta em que foi anulada a recomendação anterior e emitido novo parecer prévio recomendando a regularidade das contas do ex-prefeito.

E na noite de ontem,30, foram aprovadas por unanimidade.

Confira o momento da votação.

Imagens Câmara Municipal de Pinhão-Pr.

Na segunda sessão foram discutidas e votadas as contas do exercício financeiro de 2006 do poder executivo também de responsabilidade do ex-prefeito.

Após muitas discussões foram colocadas em votação pelo presidente vereador Luiz Hamilton Kitcky,PT, e foram desaprovadas com 03 votos  contra a desaprovação dos vereadores Alain Cesar de Abreu,PSB, Alexandro Caldas Camargo,PP, e Samoel Ribeiro, PSB, e o vereador Luciano Padilha,Cidadania, se absteve da votação.

Confira o momento da votação:

Imagens Câmara Municipal de Pinhão – PR

“A culpa é dos técnicos”

O ex-prefeito José Vitorino Prestes, PSB, teria 20 minutos em cada sessão para que seu advogado fizesse a defesa das suas contas na Tribuna.

O advogado Sérgio Luis Hessel Lopes, que representou o ex-prefeito e usou o tempo destinado à defesa somente na primeira sessão. Lopes alegou que não teria conseguido analisar as prestações de contas e que sua defesa não seria técnica e sim genérica.

De acordo com o advogado a culpa das contas serem reprovadas não foi do ex-prefeito e sim dos técnicos que fizeram as contas.

Confira esse momento

Imagens Câmara Municipal de Pinhão – Pr

Faça seu comentário