“O Sol Também é Uma Estrela” chega aos cinemas com romance leve e agradável

Longa é adaptação de livro escrito pela autora jamaicana Nicola Yoon

Por Sara Rodrigues

Chegou aos cinemas, na quinta-feira (16), a adaptação do livro “O Sol Também é Uma Estrela”, escrito pela autora de best-sellers Nicola Yoon e foi feito sob a direção de Ry Russo-Young que, por sinal, fez um ótimo trabalho.

O longa conta a história de Natasha e sua família jamaicana que tem só um dia para tentar reverter a deportação para o país de origem. A jovem é interpretada por Yara Shahidi (Imagine Só). Ao longo do dia, enquanto corre atrás de advogados, a vida de Natasha se cruza com a de Daniel, interpretado por Charles Melton (Riverdale).

Os dois têm uma coisa comum: são estrangeiros em um país e uma cidade que amam: Nova York. Daniel é um coreano fascinado por acreditar na vida movida pelo destino e faz o desafio de passar um dia com Natasha para fazê-la se apaixonar por ele.

A fotografia do filme é incrível, tons leves e claros dão vida às cenas românticas do cotidiano. Não há nada de tão absurdo que fuja à realidade, e isso traz um diferencial em relação aos romances e dramas hollywoodianos. É um filme simples e cativante.

Uma falha de montagem é que os personagens sempre aparecem nos mesmos lugares nas ruas novaiorquinas. Isso dá a impressão de que não se movem na cidade.

O roteiro também agrada bastante, pois não se trata de um clichê maçante e bobo. Traz fortes críticas sociais em relação ao racismo enfrentado por Natasha, e aponta problemáticas enfrentadas por famílias que além de negras, são imigrantes.

O filme é realmente muito aconchegante e a trilha sonora faz tudo ficar muito mais emocionante e tranquilo. A música “Crimson and Clovers” de Tommy James & The Shondells vem acompanhada de uma construção de possibilidades na vida do casal e que não necessariamente acontece no longa.

Por fim, O Sol Também é Uma Estrela já entrou na lista de favoritos de romance para 2019. Você pode conferir a partir de 16 de maio nos cinemas.

Uma estreia para o público infantil é a animação UglyDolls, são bonecos considerados feios e que estão indo ao Instituto da Perfeição com o desejo de serem amados por alguém. A ideia é mostrar que não é possível ser perfeito, e mesmo diferente dá para ser incrível.

Outro lançamento é John Wick 3 – Parabellum. Keanu Reeves continua a saga de assassinatos pela perda do seu cachorro. Ele passa a ser perseguido por membros da Alta Cúpula, que podem receber recompensa de 14 milhões por sua cabeça. Ele se une com antigos parceiros para conseguir sobreviver.

 

 

Deixe uma resposta

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: