“O Sol Também é Uma Estrela” chega aos cinemas com romance leve e agradável

Longa é adaptação de livro escrito pela autora jamaicana Nicola Yoon

Por Sara Rodrigues

Chegou aos cinemas, na quinta-feira (16), a adaptação do livro “O Sol Também é Uma Estrela”, escrito pela autora de best-sellers Nicola Yoon e foi feito sob a direção de Ry Russo-Young que, por sinal, fez um ótimo trabalho.

O longa conta a história de Natasha e sua família jamaicana que tem só um dia para tentar reverter a deportação para o país de origem. A jovem é interpretada por Yara Shahidi (Imagine Só). Ao longo do dia, enquanto corre atrás de advogados, a vida de Natasha se cruza com a de Daniel, interpretado por Charles Melton (Riverdale).

Os dois têm uma coisa comum: são estrangeiros em um país e uma cidade que amam: Nova York. Daniel é um coreano fascinado por acreditar na vida movida pelo destino e faz o desafio de passar um dia com Natasha para fazê-la se apaixonar por ele.

A fotografia do filme é incrível, tons leves e claros dão vida às cenas românticas do cotidiano. Não há nada de tão absurdo que fuja à realidade, e isso traz um diferencial em relação aos romances e dramas hollywoodianos. É um filme simples e cativante.

Uma falha de montagem é que os personagens sempre aparecem nos mesmos lugares nas ruas novaiorquinas. Isso dá a impressão de que não se movem na cidade.

O roteiro também agrada bastante, pois não se trata de um clichê maçante e bobo. Traz fortes críticas sociais em relação ao racismo enfrentado por Natasha, e aponta problemáticas enfrentadas por famílias que além de negras, são imigrantes.

O filme é realmente muito aconchegante e a trilha sonora faz tudo ficar muito mais emocionante e tranquilo. A música “Crimson and Clovers” de Tommy James & The Shondells vem acompanhada de uma construção de possibilidades na vida do casal e que não necessariamente acontece no longa.

Por fim, O Sol Também é Uma Estrela já entrou na lista de favoritos de romance para 2019. Você pode conferir a partir de 16 de maio nos cinemas.

Uma estreia para o público infantil é a animação UglyDolls, são bonecos considerados feios e que estão indo ao Instituto da Perfeição com o desejo de serem amados por alguém. A ideia é mostrar que não é possível ser perfeito, e mesmo diferente dá para ser incrível.

Outro lançamento é John Wick 3 – Parabellum. Keanu Reeves continua a saga de assassinatos pela perda do seu cachorro. Ele passa a ser perseguido por membros da Alta Cúpula, que podem receber recompensa de 14 milhões por sua cabeça. Ele se une com antigos parceiros para conseguir sobreviver.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 1 =

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: