COMO MÚSICO, ADVOGADO E PADRE, SAÍRAM DE BOA

Por Humberto Pinho da Silva

Quando, em 1945, os americanos ocuparam Garmish, um jeep, cheio de soldados, estacionou, à porta da casa de Richard Strauss.

Apearam-se, na intenção de entrar à força – se necessário fosse, na residência, – (desconhecendo que era do famoso compositor,) para a revistar.

Surgiu-lhes, então, idoso de oitenta e um anos, que tranquilamente os interrogou:

– “O que desejam?! …”

Os militares ficaram mudos de espanto. O dono da casa era o grande e conhecido Maestro Richard Strauss.

E prosseguiu:

– “ Sou o compositor do: “ Cavaleiro da Rosa”.

De imediato o comandante, em sentido, cumprimentou-o, fazendo a continência, seguido pelos subalternos.

Estavam diante do músico, do compositor, Strauss, admirado em todo o mundo.

***

Outra história, igualmente verídica, ocorrida em meados do século XX, em Gaia (Portugal):

Havia, na rua Cândido dos Reis (Direita,) farmacêutico, republicano de sete costados.

Certo dia, o abade de santa Marinha (dr. Azevedo Maia,) que não poupava, nas homilias, os desvarios dos republicanos, foi seriamente ameaçado de morte, por certa organização secreta.

Aflito, não conhecendo a quem recorrer, lembrou-se do farmacêutico, Homem reconhecido pela bondade e justiça.

Atónito, ouviu-o atentamente, condoído da má sorte do abade. Deu-lhe guarita, em sua casa, durante semanas, facilitando-lhe a fuga, para o exílio (Paris)

Há homens justos, de consciência, desde a extrema-direita, à mais nefasta esquerda…; até entre bandidos…

Não dizia, ao morrer, o gangster americano, Crowley: que possuía coração bondoso, e que matava, apenas, para se defender?! Se assim pensava um bandido, o que dizer de um politico…

***

Agora, outro episódio curioso:

Contaram-me – já lá vão muitas décadas, – que uma manhã, a policia secreta portuguesa (PIDE) bateu à porta de famoso advogado, para o levar a interrogatório.

Como o jurista estivesse a almoçar, juntamente com a família, a criada, a tremer, foi avisá-lo.

Regressou com o seguinte recado:

-”O Senhor Doutor está a terminar a refeição…”

O agente, amavelmente, respondeu-lhe:

– “Pois diga ao Senhor Doutor que não se apresse. Eu aguardo que termine de comer…”

Decorrido minutos, o advogado apareceu. Ao dirigir-se ao agente, disse-lhe em tom interrogatório:

-”Não receou que fugisse? …”

Ao que o policia, prontamente, respondeu:

– “ Nós sabemos, que o Senhor Doutor, é pessoa de bem. Não ia fugir…Não anda a lançar bombas…”

Esta cena verídica, ilustra bem, que, mesmo para a famigerada policia, as pessoas honradas e honestas ainda eram respeitadas.

Na vida, como na política, pouco importa a ideologia e os partidos; mas, o carácter, a bondade e os bons sentimentos de cada um.

Faça seu comentário