VOCÊ É (IN)FELIZ?

O sentimento de contentamento, de satisfação, de prazer, de felicidade, tudo isso é alegria. Ela se expressa através de sorrisos, da serenidade do semblante, da paz interna e muito mais. Todos querem ser felizes, mas nem todos chegam lá. No contexto pós-moderno, a alegria está muito ligada as condições materiais, ao status, a ser o que quiser sem pensar se é bom ou ruim.

O grande problema de adotar essas posturas é que haverá apenas momentos felizes e não uma vida feliz. Certa vez Jack Higgins, autor de suspense muito bem-sucedido, no auge da fama, foi entrevistado por um jornalista. Foi lhe perguntado o que teria gostado de saber quando era criança.

A sua resposta foi: “que quando você chega ao topo, não há nada lá”. Os bens oferecem uma alegria que não perdura (não estou falando que é errado ter as coisas, ou almejar ter). Na nossa cultura percebe-se claramente que a alegria está vinculada ao contexto, ou seja, é o ambiente que proporciona a alegria.

Infelizmente muitos fingem uma alegria, apenas para mostrar aos outros que estão felizes quando na verdade, estão insatisfeitos, sentindo-se vazios e angustiados. Muitos vivem uma aparente alegria, acham que estão enxergando, quando na verdade não percebem sua própria cegueira. Para desfrutar de felicidade mesmo, é necessário antes de tudo parar de fingir, de aparentar o que não é.

Em segundo lugar é necessário reconhecer que ninguém é autossuficiente, reconhecer as limitações, as fraquezas, que não está bem, não esconder as emoções, é sinal de grandeza. Em terceiro lugar,  é necessário romper com as superficialidades, ou seja, a tua vida não fica melhor se alguém curte ou deixa de curtir você nas redes sociais, você não precisa comprar coisas que você não pode, com dinheiro que você não tem, para agradar pessoas que não estão nem aí.

Por último e creio que mais importante, alegria e felicidade verdadeira e permanente só pode ser encontrado em Cristo. Nas Escrituras, a alegria proporcionada por e em Jesus, independe das circunstâncias, é mais um estado de espirito, é um dom da graça divina contra a tristeza.

Jesus disse:” Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa” (João 15:11). Jesus é a fonte de alegria completa, e é seu desejo que desfrutemos dessa alegria. O apóstolo Paulo compreendeu bem isso quando disse “alegrai-vos sempre no Senhor, outra vez digo, alegrai-vos” (Fp 4.4). Paulo é o exemplo claro de que a alegria independe das circunstâncias, pois a carta da alegria, Filipenses, foi escrita em um contexto desfavorável, difícil. Na prática, para desfrutarmos dessa alegria completa, verdadeira, ultra circunstancial, precisamos antes de tudo, olhar para onde Paulo olhava, e seus olhos estavam voltados para o REDENTOR, seu alvo era Cristo, sua base era Cristo, seu descanso era Cristo. Paulo compreendeu na prática, que JESUS era tudo o que ele tinha. O nosso grande problema é que existem outras coisas que roubam nossa alegria, olhar demais para o que temos ou não temos, colocar as coisas como fonte de alegria e satisfação. Tudo isso nos faz tirar os olhos da fonte da alegria completa – CRISTO. Outro segredo para desfrutarmos da alegria completa, é aprendermos a viver contente. Paulo diz, “aprendi a viver contente em toda e qualquer situação” Fp 4. 11. Aprender envolve processo, entrega, luta, confiança, enfrentamento. Nós podemos desfrutar de alegria, de contentamento, de satisfação, independentemente do contexto, precisamos antes de tudo, atentar para quem é que está no centro de nosso coração, no que ou em quem buscamos alívio, alegria. Lembre-se Cristo é a fonte de alegria completa e verdadeira, aprenda a se alegrar Nele

É necessário reconhecer que satisfação completa, só podemos encontrar em Deus, pois só Ele pode preencher o vazio, a frustração do coração; pois todo ser humano tem uma vazio no seu coração que é do tamanho de Deus e só Ele pode preencher. FELICIDADE PARA TODOS.

Rev Sandro – pastor da Igreja Presbiteriana de Pinhão

Faça seu comentário