Humberto Silva Pinho

Por Humberto Pinho da Silva

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.

Era no início do século XX, quando haviam muitas sarrafuscas. Ao passar nas mediações da Serra do Pilar, em Gaia, deparou, atónito, pequeno agrupamento de soldados.

Receoso, avizinhou-se muito devagarinho…Quando se encontrava a escassa distância, surge-lhe roliço sargento, de farta bigodaça, sobrolhos eriçados, que se postou, de mãos nas ilhargas, à sua frente, interrogando-o asperamente:

                  – Quem é vossemecê?! – Vociferou.

Quero ir para casa… – respondeu temeroso, crispando nervosamente a testa.

Não pode circular! …

Mas…meu sargento, preciso de ir para casa…Tenho mulher e filhos. Estou preocupadíssimo

Então vá! Mas antes, diga: Quem viva?!

O homem ficou assarapantado. Que havia de dizer? …; desconhecia de que lado estava o militar…

Voltando-se para o sargento, disse-lhe todo empertigado:

Viva o meu sargento! Viva eu, e mais quem o senhor quiser! …

De sorriso agarotado, nos lábios grossos, o militar, deixou-o passar, sacudindo vagarosamente e complacente, a cabeça, como quem queria dizer: Este sabe-a toda…

Essa historieta, verdadeira, fez-me lembrar a que conta Agostinho de Campos, na: “ Língua e Má Língua”:

Perguntaram a Teófilo Braga, durante a Grande Guerra, se era francófilo ou germanófilo.

O escritor, não queria revelar a sua simpatia, e respondeu deste jeito:

– Eu cá sou Teófilo….

Nos conturbados tempos que correm, também muitos perguntam: “ Quem viva!?”

Se dissermos viva a “Esquerda”, somos pascácios para os da “Direita “; se dermos vivas à “Direita”, somos retrógrados, e anátemas…

Neste tempo democrático, de amplas liberdades, melhor é dizermos como meu antepassado:

– Viva eu! Viva você! E mais quem você quiser! …


Compartilhe

Veja mais