Humberto Silva Pinho

Por Humberto Pinho da Silva

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…

Durante a conversa, perguntei, também, a alguns milionários, como conseguiram obter os avultados bens.

Grande parte, informaram-me: que na realidade, o mérito – se havia mérito nisso, – era devido aos avós, que começando do nada, com sacrifícios e privações, acumularam as enormes fortunas.

Mas, ao interroga-los como começou: a fábrica, a industria, a casa agrícola, e o nome dos avós, a maioria respondiam-me de olhos vagos:

– “É uma boa pergunta! Sabe? nunca tive o cuidado de saber. Vou tentar informar-me, para lhe dar os dados que precisa.”

Directora de importante instituição, a quem fui recolher elementos para a biografia do tio. Benemérito, que fez fortuna na América, e, como não tivesse descendentes, tudo deixou para criarem a fundação, olhou-me espantada, e apontando com o indicador direito, o solene retrato, ricamente emoldurado, pendente na parede do salão nobre, limitou-se a dizer:

-“Meu tio…”

Nada mais conhecia, que o retrato, mesmo sendo a responsável… Envergonhada, sorrindo, disse-me que ia investigar…

Outra senhora, sobrinha de ricaço, cujo pai herdara do irmão incomensurável fortuna, pouco conhecia desse tio, nem foto tinha. Se quis ilustrar o texto, tive que fotografar a lápide, que estava no cemitério!…

Certa ocasião entrevistei figura conhecida, para publicar curta biografia do pai.

Recebeu-me, amavelmente, no luxuoso gabinete, lamentando não poder ser-me útil, porque do pai, só conhecia o nome e pouco mais…

Argumentou, que em criança, o paizinho, contava curiosas peripécias ocorridas na infância, mas nunca prestara atenção. Não lhe interessavas saber velharias…

Admirava-me, de início, que não soubessem curiosidades dos ascendentes (pais e avós,) mas conclui estupefacto: estavam mais interessados nos bens que herdaram, que lhes permite, viverem folgadamente, que nos pais e avós…

Pura ingratidão!…

PARA LER OUTROS ARTIGOS – CLIQUE AQUI


Compartilhe

Veja mais