Com a pandemia da Covid-19, os campeonatos esportivos ficaram suspensos, como os treinos seguiram o mesmo caminho em todo o país, no município de Pinhão/PR, não foi diferente.

Segundo a sensei Maria Helena de Fátima Spengler, que desde maio está coordenando o Judô do município de Pinhão, os treinos retornaram em junho.

Com a pandemia, os treinos foram abertos para as crianças a partir de 7 anos, hoje ela trabalha com 5 turmas de 25 alunos, divididas nos períodos da manhã e tarde, mas a proposta é abrir turmas a partir de 4 anos.

“Estou fazendo um resgate do judô”

Foto: Reprodução/redes sociais

Maria Helena está reorganizando o judô no município, “Quando assumi o judô, tinha bastante gente que não queria mais lutar, estava traumatizado, havia uma preocupação muito grande em não perder. Na verdade, o importante é subir no tatame e dar o seu melhor, não trouxe medalha, não tem problema. Vejo que os atletas estão mais confiantes e alegres na hora dos treinos.

Equipe de Competição

 Para os judocas que querem participar de competições, foi formado um horário especial, quando acontecem os treinos mais intensos. Para uma equipe de 30 judocas, os treinos são diariamente à noite.

“Quando observo um atleta que é mais comportado, focado, que pega rápido o golpe, que tem mais agilidade, habilidade, converso com o atleta se ele quer participar das competições, pois, primeiro de tudo, vem o querer do aluno, converso com os pais, pois eles tem que estar dispostos a acompanhar os filhos, se todos estão de acordo, o judoca continua vindo no seu horário de treino do dia e passa a vir também no treino à noite, que é voltado para a competição”, explicou Maria Helena.

As competições ficaram suspensas por mais de um ano, mas, quando os treinos voltaram, em junho, ela já iniciou com essa turma para competições e já nos Jogos Escolares do Paraná, o JEP’s o judô do Pinhão se destacou, trazendo para o município uma medalha de prata e duas de bronze.

6 campeões na Copa Paraná

Nos dias 5 e 6 de novembro, na Copa Paraná, no município de Fazenda Grande/PR, o judô do Pinhão participou da competição estadual com 18 atletas.

Mesmo com apenas 4 meses de treino os judocas de Pinhão brilharam na Copa Paraná, trazendo um resultado inédito, 6 campeões: Helena Yumi, Milena Orzechowski, Eduardo Freitas, Luiza Pilatti, Emanuel Caldas e Ronerson Epifanio, que competiu na categoria veterano.

Duas vice-campeãs, Alicia Caldas e Anne Barbosa e as judocas, Luize Borges, Letícia Borges trouxeram medalhas de bronze “Ficamos muito felizes porque esse foi o melhor resultado que o Pinhão conseguiu até os dias de hoje numa competição estadual”.

A sensei fez questão de destacar que os atletas Eliza Spengler, Matheus Ribeiro, Amanda Levinski , Emanuel Ortiz
João Victor chagas José Victor e Enzo Dengo Reis não trouxeram medalhas, mas que a participação deles foi ótima, “A vitória é de todos, a participação, as lutas de todos contribuíram para que atingíssemos esse resultado inédito para Pinhão”.

Todo esse excelente resultado na Copa Paraná levou à classificação de 10 atletas para o Meeting Sul Brasileiro.

Meeting Sul Brasileiro

O Meeting Sul Brasileiro de Judô reúne os melhores judocas dos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Esse ano, aconteceu na cidade de São José, Santa Catarina, entre os dias 12 a 14 de novembro e os atletas de Pinhão sagraram-se campeões sul brasileiros.

Para alegria de todos, o judoca Eduardo Freitas e a judoca Luiza Pilatti consagraram-se campeões, e a atleta Milena Orzechowski conquistou a medalha de prata e Letícia Borges a medalha de bronze. Os atletas Helena Yumi, Luize Tavares Borges e Emanuel Caldas ficaram entre os 10 melhores da região Sul. “Esse resultado é muito significativo, pois no Meeting o nível dos judocas que participam é altíssimo, pois lá os nossos judocas lutaram com os melhores de cada estado da região Sul. É uma imensa alegria termos 10 atletas que estão entre os melhores da região Sul, é resultado de todos os atletas que foram e dos que não foram, dos pais, da secretaria de Esporte que nos apoia”, destacou a sensei.

Dois campeões no Meeting

Fatos do Iguaçu conversou com os campeões Eduardo de Freitas Ribas e Luiza Pilattes Tavares e sentiu como eles estavam felizes, ao mesmo tempo que sentiam que o resultado deles está ligado ao esforço de muita gente e sobre os sonhos deles, que são grandes.

Fatos do Iguaçu: Vir praticar judô foi uma escolha de vocês?

Eduardo: meu pai treinava, ele começou me trazer para  eu ir experimentando, eu fui gostando.

Luiza:  minha mãe, meu pai, na verdade, quase toda a minha família treinava, eu vim com eles.

FI: Como foi participar do Meeting?

Eduardo: é uma emoção, a minha primeira luta foi mais fácil que a segunda, lutei com dois e ganhei, mas a gente fica um pouco nervoso, mas foi muito bom.

Luiza: A primeira luta foi difícil, mas a segunda foi mais tranquila, ganhei por pontos. Mas a gente fica nervoso, até porque estava todo mundo assistindo.

FI: Como foi ouvir que vocês eram campeões?

Eduardo: O coração  estava a 200, ele dispara, é muito bom ser campeão sul brasileiro.

Luiza: Lá, na hora que anuncia, não dá para pular, mas por dentro o coração estava pulando muito.  A sensei explicou que enquanto o atleta está no tatame não pode comemorar em respeito ao adversário, caso contrário é desclassificado.

FI: O ritmo de treino é puxado, vale a pena continuar?

Eduardo e Luiza: Vale muito a pena continuar vindo nos treinos normais do dia e mais os treinos das 19 às 21 horas.

FI: Qual o sonho de vocês?

Eduardo: Quero ganhar um mundial

Luiza: Ir lá para as Olimpíadas

FI: Tem mais alguma coisa que vocês queiram falar?

Eduardo e Luiza: Quem quer ganhar tem que se esforçar o máximo a gente luta aqui primeiro para depois ir pra longe. Agradecer a sansei os outros que treinam conosco, sem os amigos não seriamos campeãs.

A sensei Maria Helena, frisou que a amizade e o respeito ao colega, é sempre trabalhado nos treinos, “Converso muito com eles sobre amizade e respeito, se o colega for machucado, ele não vem, é o colega que ajuda a ser campeão, a Luiza e o Eduardo representam o resultado, mas o resultado é de todos, porque sozinho, ninguém chega a lugar nenhum.

Um bronze com sabor de superação

A  superação da judoca Leticia Carolina Tavares Borges

“Ela se superou, na Copa Paranaense ela competiu muito nervosa, entrou no tatame chorando, mas conseguiu se classificar para o Sul Brasileiro, tivemos a preocupação de conversar com ela, inclusive, deixando muito claro que se competir e não ganhar não tem problema, que o importante era ela buscar dar o melhor de si. No Sul Brasileiro ela se superou”.

Conversando com a medalhista Leticia

Fatos do Iguaçu: Foi bom participar do Meeting?

Leticia: Foi incrível, a gente vê bastante gente de cidade diferentes.

FI: Foi melhor participar da Copa Paraná ou do Meeting?

Leticia: na Copa Paraná, foi bem difícil, eu estava muito nervosa, no Meeting eu estava mais calma, curti mais.

FI: Por que você estava tão nervosa na Copa?

Leticia: Fazia muito tempo que eu não ia pra campeonato, eu achava que não ia conseguir pegar podium, e eu queria muito ir pro Meeting. Queria competir longe, ganhar o podium, eu sempre vi a minha irmã ganhando o primeiro lugar, eu também queria ganhar.

FI: Como foi quando você se classificou para o Meeting?

Leticia: Fiquei muito feliz quando vi que eu ia pro sul brasileiro, conhecer outra cidade, fazer parte do campeonato que eu nunca tinha participado, tinha a esperança de trazer medalha e trouxe a de bronze, isso me deixou muito feliz. Hoje eu sei que posso chegar no primeiro lugar do podium.

Maria Helena fez questão de complementar, “Gostei muito da luta dos campeões, mas a luta da Leticia foi especial, pois ela se superou, ela se transformou, entrou no tatame sorrindo, fez três lutas em 3 segundos porque ela entrou firme e já jogava, ela perdeu só a última luta para uma atleta de Santa Catarina que já é campeã brasileira, ela lutou 5 lutas e ganhou 4”.

Campeão paranaense dos veteranos

Ronerson Epifânio Oliveira, que é fisioterapeuta e sensei no judô, competiu na categoria veterana pelo Pinhão e consagrou-se campeão, na Copa Paranaense. Ele é esposo da sansei Maria Helena e auxilia nos treinos com os pequenos. Falou ao Fatos do Iguaçu da alegria de estar podendo levar os pequenos ao sul brasileiro, “Ter podido voltar os treinos em junho já foi bom, mas ter ido com as crianças para o campeonato estadual e o Meeting foi muito gratificante e especial, eu lido, atuo no judô de Pinhão há 30 anos, pois comecei criança, assim, o mais marcante é que estávamos unidos na competição e voltamos com um resultado muito positivo”.

Ronerson fez questão de complementar, “Enfrentar a pandemia e ver esse resultado só reforça que na vida é importante manter a fé, ter o espírito de que as coisas vão melhorar. Tivemos muitas perdas e tristeza, assim, subir no podium e, principalmente, ver as crianças no podium é emocionante e marcante, pois, muitos não conseguiram chegar até aqui, ficaram pelo caminho devido à pandemia”.

Há judô para as mulheres

As mulheres que desejarem experimentar a arte do judô, podem procurar a sensei Maria Helena do Ginasião, pois ela treina uma turma especifica de mulheres.


Compartilhe

Veja mais