Rev. Sandro

É fato que esta pandemia mexeu na vida e na agenda de todo mundo, mesmo os céticos e negacionistas foram obrigados a andar de máscara. Neste tempo que vivemos, nem todos fizeram uma avaliação profunda com respeito as crises e dramas que estão vivendo, ou viveram neste período pandêmico. Muitas crises e conflitos familiares deste tempo, não surgiram devido a pandemia, na verdade haviam muitos problemas escondidos que estouraram neste período de maior convivência familiar, em especial as aulas online.

Com as aulas online, em casa, muitos pais descobriram algumas dificuldades de lidar com seus filhos, coisa que os outros já sabiam, mas nunca falaram nada (hehehe). Outra questão muito séria em relação aos filhos, tem a ver com a terceirização da educação dos mesmos. Infelizmente muitos pais esperam que a escola faça o papel que é do pai e da mãe. Com os filhos em casa, mexeu em algo que deixou os pais irritados = zona de conforto, e mostrou a superficialidade em muitos relacionamentos, pais que nunca foram presentes e mesmo agora debaixo do mesmo teto, continuam ausentes.

Percebe-se a hipocrisia de muitos pais, ao afirmarem que querem o melhor para os filhos, mas acham cansativo demais cobrarem dos filhos o foco nos estudos e estarem lembrando disso diariamente. Diretores, professores, pedagogos, secretários cobram diariamente a participação dos alunos nas aulas online, isso porque muitos que não tem participado, e certos pais ainda querem culpar a escola, a pandemia e tudo mais, menos desempenharem seu papel de pais. Infelizmente há pais que consideram o online uma perda de tempo (e passam isso para os filhos), ficam esperando passar a pandemia para daí cobrarem dos filhos a questão dos estudos.

Embora não seja o ideal, devemos agradecer a Deus que existe o online (imagine se fosse na época da internet discada, todo mundo iria “pirar”), só será tempo perdido para aqueles que não estudarem. Se muitos pais e alunos não aprenderem com a pandemia, o pós-pandemia será muito complicado. Tenho certeza de que aqueles que estão levando a sério os estudos agora, e pais que cobram sempre os filhos quanto a isso, sairão na frente no pós-pandemia e muito mais fortes e focados.

Levar os filhos a ter um compromisso diário com os estudos, a vencerem as etapas, dá trabalho, o exigir, o colocar limites, o cobrar com amor e por amor a eles, mostra que você pai e você mãe, querem de fato o melhor para os seus filhos. As lições dessa pandemia são inúmeras, espero mesmo que muitos pais e muitos filhos, saiam melhores e voltem para a sala de aula com muito mais fome pelo conhecimento, vencendo as etapas que virão. Pais não foquem no pós-pandemia.

Alunos não foquem no pós-pandemia, é tempo de estudar, é tempo de avançar, a pandemia não colocou o aprendizado de quarentena, pelo contrário, trouxe novas descobertas e ferramentas. Quem coloca o aprendizado de quarentena, esperando o pós-pandemia é a mente daqueles que focam no problema e usam o problema como uma desculpa para não avançar. A vida continua na Pandemia e os estudos também.

Que o Eterno Deus abençoe e fortaleça mais e mais, os pais, alunos, professores e que este período desafiador leve cada um a maiores altitudes. O resultado do online, vai depender da presença dos pais na vida dos filhos e da noção de que a pandemia pode ter afetado muita coisa, mas o aprendizado rompeu e rompe qualquer barreira. Seja online ou presencial, é tempo de estudar.

Rev Sandro Pastor da Igreja Presbiteriana de Pinhão

LEIA TAMBÉM:

A verdadeira “lacração”

Necessários e necessitados

Meus pêsames

 

 


Compartilhe

Veja mais