NOTAS SOBRE O SAPO BARBUDO – parte I

Sempre é mais do que recomendável conhecermos a biografia dos autores que fazem nossa cuca. Ao menos algumas notas, mesmo que rudimentares, sobre vida, a obra, sobre as influências recebidas por este ou aquele caboclo, cujas as páginas escritas por ele, nós tão gostosamente deitamos nossas vistas.

E, assim o é, por uma razão muitíssimo simples: porque abrimos escancaradamente a nossa alma, no silêncio da leitura, para o autor daquelas palavras que, lentamente, vão se impregnando em nosso ser e, por isso mesmo, é bom que saibamos a procedências desses caracteres para sabermos, mais ou menos, o que está vindo junto com suas linhas e traçados.

Tendo isso em vista, gostaria de partilhar com o amigo leitor algumas notas, por meio duma série de escrevinhadas que, junto com essa, utilizaremos para apresentar alguns pontos e borrões a respeito da vida e da obra de “Old Nick”, o Satanás, como Karl Marx era chamado na velhice em seu círculo íntimo. Aliás, seu filho, quando pequeno, chamava seu papai de “diabo”. Bah! Quanto carinho e afeição, não é mesmo?

Muito bem, esse tom sombrio marca profundamente sua pessoa desde a mocidade. Tom esse que facilmente vê-se pairar sobre seus escritos e, consequentemente, sobre o fruto, sobre o legado de sua obra. Para tanto, basta que olhemos seus escritos sem o filtro de nossas paixões ideológicas. Dito isso, sigamos em frente.

O Papis de Karl, o velho Heinrich Marx, em suas cartas nos faz transparecer uma grande angústia em relação ao seu filhote. Sentimento esse devido aos seguintes fatos: Marx filho não tinha o hábito de responder as cartas de seu genitor e, quando o fazia, era para pedir dinheiro para o velho. Por isso o pai acusava o jovem de ser egoísta, de não ter consideração por seus pais e por ninguém.

Dava a impressão, segundo Heinrich, que Karl pensava que seu pai era feito de ouro. Ouro esse que deveria atender todas as ânsias e desejos voluptuosos do filósofo revolucionário. Que feio. Seu pai perguntava a si mesmo se seu filho era possuído por um espírito divino ou faustico. Preocupava-se e manifestava um forte desejo de tentar impedir que ele se transformasse em algo que, nas suas palavras, o apavorava muito.

Outro detalhe: quando tomamos sua tese de doutorado em mãos (acreditem, eu fiz isso e a li em 1999), lemos na epígrafe uma citação extraída duma peça de Ésquilo onde Prometeu, seu mito favorito, falava a Zeus: “Saiba tu que jamais quereria eu trocar meu infortúnio pela condição de servo teu.

Pois melhor me parece estar acorrentado a este rochedo do que passar toda a vida como fiel mensageiro do pai Zeus”. Epígrafe essa que deixa mui claro a sua revolta contra o divino, ao mesmo tempo em que vê a si mesmo como sendo uma espécie de profeta materialista do caos. Num de seus poemas (isso mesmo.

Marx também era poeta), publicado em 1841, ele apresenta a imagem dum violinista louco, vestido com um roupão e munido dum sabre. Leem-se, numa parte dos versos, as seguintes palavras: “Deus nem conhece nem honra a Arte; ela se eleva dos vapores do Inferno; ela enlouquece o cérebro e altera o coração.

É o Demônio que marca o tempo para mim, e é a Marcha da Morte a música que tenho de tocar”. É mole ou quer mais? Mesmo que não queira, tem mais. Doravante, não tem como não constatar que, por traz da admiração que Marx nutria pelo mito de Prometeu, ocultava-se a figura de Lúcifer, o lado malévolo do rebelde mitológico benfeitor do homem.

De mais a mais, a desejo de destruição e morte era algo extremamente presente não apenas em seus poemas, mas também em sua pregação revolucionária o que, por sua deixa, movia-o a criticar duramente todos aqueles que não compactuavam com sua visão apocalítica da luta de classes.

Todos os líderes operários que se preocupavam em galgar melhorias [graduais] para a vida dos trabalhadores eram rechaçados pelo filósofo barbudo que, diga-se de passagem, não gostava dos líderes operários de origem operária. Ele nutria pouquíssima consideração por eles. Segundo o entendimento próprio Karl não era disso que os trabalhadores precisavam, apesar dele nunca ter vivido, ou convivido com o dito cujo dos proletários que ele dizia defender.

Aliás, ele nunca colocou os seus pés numa fábrica. Não há notícias disso. Na verdade, o contato mais próximo que ele teve com um proletário foi com a sua empregada doméstica. Empregada essa que havia sido enviada pela família de sua esposa para auxiliá-los. Detalhe: ela não recebia ordenado algum e, se isso já não fosse o bastante, Marx teve um filho com ela. Filho esse que ele nunca reconheceu. Filho esse que foi entregue para ser adotado por uma família de operários.

Criança essa que, uma vez ou outra, ia visitar a sua mãe sem que o benfeitor mor da humanidade soubesse. É claro. O garoto sempre entrava silente pelos fundos para não ser notado pelo velho Old Nick. Enfim, podemos dizer que Marx, em sua vida, antecipou uma das regras áureas do leninismo-marxista. Ou seja: Marx acusava a burguesia justamente daquilo que ele fazia.

Detalhe: ele o fez dum modo tão vil que, possivelmente, nenhum burguês da época seria capaz de imaginar tamanha baixeza. Aliás, como disse certa feita Edmund Burke a respeito de Rousseau, esse tipo de intelectual, que diz amar a humanidade é, geralmente, incapaz de amar o seu próximo.

Quer dizer, no caso de Marx, nem a humanidade, muito menos quem estava ao seu lado. Por fim e por ora é isso que temos para o momento, mas não é o fim desse causo não. Tenho mais algumas coisinhas pra falar sobre esse senhor e sua obra. Espero apenas que a preguiça não me impeça de fazê-lo.

Hora do café.

(*) Apenas um caipira que bebe muito café.

Deixe uma resposta

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: