Município de Reserva do Iguaçu

Gentílico: reservense do iguaçu

População Estimada (IBGE/2019 8.010 pessoas

Área territorial 834,232 Km2

Municípios limítrofes: Pinhão, Foz do Jordão, Mangueirinha e Coronel Domingos Soares 

Prefeito: Sebastião Almir Caldas de Campos (PMDB, 2017 – 2020)


Formação Administrativa:

O Município de Reserva do Iguaçu teve sua criação Decretada pela Lei Estadual nº 11.163 de 04 de Setembro de 1995, por desmembramento por parte do Distrito de Reserva e parte do Distrito de Pedro Lustoza, Município de Pinhão, ficando determinada zona cívico administrativa sede, o perímetro urbano da cidade de Rondinha.

​Origem Histórica:

O nome Reserva originou-se de distribuição de terras para a colonização (sesmaria), sendo que o Sr. João Lustoza foi o último a assumir a terra ficando “reservada” ao proprietário. A Sede do Município, localidade de Rondinha, recebeu este nome por ser local de pouso dos tropeiros que se dirigiam com suas tropas do sul do País até o Estado de São Paulo.

Prefeitura Municipal de Reserva do Iguaçu

Endereço
Av. 4 de setembro, 614 | Bairro: Centro – CEP: 85195-000 | Telefone: (42) 3651-8000 E-mail gabinete2017pmri@gmail.com.br

Site: http://www.reservadoiguacu.pr.gov.br/

Facebook: https://www.facebook.com/pmriOficial/

Câmara Municipal de Reserva do Iguaçu – Pr

Avenida 04 de setembro, 522 | Centro | Telefone: (42) 3651- 1153 CEP: 85195000 Reserva do Iguaçu

Site: http://camarareservadoiguacu.pr.gov.br/wp/2019/02/18/mesa-diretoria-bienio-2019-2020/

Facebook: https://www.facebook.com/CamaramunicipalRI/

NOSSA GENTE:

O Anjo de Reserva do Iguaçu

Reportagem publicada na edição nº 313 de 06 de setembro de 207

À primeira vista o senhor Anjo Gonçalves, 68 anos, parece um avô como aqueles de antigamente, que conta causos sobre os mais variados assuntos e enfoques. Ele conta histórias, mas não como um narrador de contos de fadas, distanciado daquilo que aconteceu, mas sim como um narrador-protagonista, porque das histórias que conta ele fez parte e sabe de todos os detalhes de cada situação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Natural de Concórdia, mas reservense de coração, o senhor Anjo é uma dessas pessoas que deixam amigos por onde quer que passe. Chegou a Reserva do Iguaçu em 1986, quando o município ainda não tinha se emancipado politicamente de Pinhão e até hoje é em RI que ele deposita seus sonhos e ambições. “Quando disse para a minha família que vinha para cá, eles me chamaram de louco, porque eles souberam que um delegado de Pinhão tinha sido assassinado aqui e todos ficaram preocupados comigo e com os outros que vinham junto. O povo falava muito. E um dia eu respondi: ‘Vou assumir a vaga do delegado’. E não me arrependi de vir para cá. Aqui é um lugar muito bom de viver”, declara rindo.

Ele e a família saíram de sua cidade natal após comprarem uma fazenda em sociedade com alguns amigos. Como a terra era improdutiva, muitos dos sócios desistiram e foram em busca de outros caminhos. Entretanto, o senhor Anjo não desistiu. “Sempre trabalhei na roça, então eu sabia o que precisava fazer. Como a terra era ruim ela precisava ser tratada e foi o que fiz. Depois passei a plantar feijão, milho, mandioca, erva-mate”.

Anjo Gonçalves foi uma das pessoas que lutaram para que, há onze anos atrás, Reserva do Iguaçu deixasse de ser Pinhão e se tornasse um município independente. “Quando foi feito o plebiscito, Pinhão abandonou tudo, parou de ajudar. E o povo sofreu bastante até conseguir se organizar, mas até isso acontecer a gente foi sobrevivendo”, relembra.

Além do abandono, a dificuldade de locomoção também atrapalhava o desenvolvimento da região. Quando se precisava resolver qualquer assunto, tinha que ir a Pinhão.

“Muita coisa mudou de lá pra cá, principalmente porque ir para Pinhão era muito difícil, tinha poucos ônibus. Mas agora é diferente. A cidade evoluiu bastante. O que falta é emprego”.

Além de lutar pela emancipação de RI, senhor Anjo também fez parte da Pastoral da Terra, e os conhecimentos adquiridos nesta empreitada o ajudaram a fundar o Sindicato Rural do município em 1997. “No Sindicato trabalhei por cinco anos. Dois como secretário e três como presidente”, relembra ele que deixou o Sindicato Rural há três anos.

Após todos estes anos de dedicação ao Sindicato Rural, senhor Anjo foi um dos candidatos à prefeitura da cidade em 2004, mas não conseguiu se eleger. “Eu concorri, mas não fiz campanha. Os votos que consegui foram dos meus companheiros de Sindicato”, afirma.

Neste ano, o incansável Anjo Gonçalves enfrenta mais um desafio: ser conselheiro do Conselho Tutelar de Reserva do Iguaçu. “Como conselheiro eu quero trabalhar em função da criança e do adolescente”, declara ansioso.

Na nova função, que iniciou na última semana, Anjo pretende dar uma nova visão ao Conselho Tutelar. “Queremos dar palestras, orientações às crianças e adolescentes. Visitaremos colégios, alertaremos sobre as drogas e os perigos do mundo”, esclarece.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anjo não conta histórias apenas para quem o visita em sua casa, mas para todos aqueles que estiverem sintonizados na Rádio Comunitária de RI. Das seis as oito da manhã ele comanda há três anos, um programa de rádio em que a música tradicionalista, histórias e brincadeiras são os atrativos.

Em sua casa, Anjo Gonçalves coleciona caixas com centenas de cartas que recebe dos ouvintes, com pedidos de músicas. “Eu guardo todas elas. É uma forma de manter o contato com o pessoal e saber se eles estão gostando do meu trabalho”, declara.