Na última sessão ordinária do legislativo do município de Pinhão/Pr, as discussões ficaram em torno de dois temas centrais – as estradas do interior, a falta de funcionário nas escolas municipais.

Questão das estradas vai para o MP

Dos 13 vereadores, apenas 5 usaram a tribuna. O primeiro foi o vereador do Podemos, Vinicius Dartanhã Terleski de Oliveira, comunicou que ele, os vereadores Israel, Luzyanna, Pedro André e Elias formularam um requerimento sobre o estado das estradas do interior e estavam encaminhando para o Ministério Público, “Nos quatro cantos do município as estradas gerais que transitam os ônibus escolares, que escoa a produção agrícola, por onde chegam as ambulâncias até os moradores do interior estão intransitáveis, muitas crianças não conseguem embarcar numa Kombi para ir para a escola, gestante tem que andar 2 a 3 quilômetros porque o carro da saúde não chega até a casa dela, enfermo acamado tem que sair puxado por trator. Tem chovido muito, mas em dia de sol, não vemos trabalho e nem planejamento de trabalho para os dias de sol”.

Ao final da sessão o requerimento foi assinado por todos os vereadores.

O vereador Edson Adrian Pereira, PSB, fez a defesa do executivo em relação às estradas “ Nosso maquinário é muito antigo, tem se feito muito esforço, mas nosso interior é muito grande e temos tido muitas chuvas, mas conversei com o secretário Krois, ele me disse que vai abrir duas frentes de trabalho, que assim vai  acompanhar mais de perto o trabalho”.

O vereador Aroldo Antunes Domingues, Cidadania, também defendeu a administração, “não quero fazer uma defesa, mas não há prefeito que vença fazer as estradas do Pinhão”.

Cadê os  R$ 11 milhões

Vinicius também perguntou sobre os R$ 11 milhões, onde foram gastos que não aparecem no portal da transparência, “No portal da transparecia consta que o município teve uma entrada de recursos de R$ 45 milhões, as despesas apontam que  saíram R$ 34 milhões, para onde está sendo encaminhado os R$ 11 milhões restante”?

Falta de pessoal nas escolas

O vereador Elias Prestes do PP e a vereadora Luzyanna Rocha Tavares, PSD também levantaram vários questionamentos sobre as condições das estradas e as condições das ruas e locais da cidade, que estão sem os devidos cuidados, como os cemitérios, que estão cheios de mato .

Eles levantaram a falta de funcionários que as escolas têm sofrido devido à pandemia e solicitaram que sejam tomadas as devidas providencias. “Gostaríamos que houvesse a mesma agilidade para arrumar maquinário e contratação de funcionários e outras necessidades diárias da população como vimos para a organização da Festa do Pinhão, inclusive com várias dispensas de licitações”, cobrou  Luzyanna.

O vereador Luiz Hamilton, PT, elogiou a 15ª Festa do Pinhão, questionou a dispensa de licitação para muitas coisas e fez cobrança do executivo em relação às escolas, “Os diretores e professores tem nos procurado, não só a mim, mas a todos os vereadores sobre o número grande de profissionais que estão faltando nas escolas, sejam professores ou funcionários devido  Covid-19, a secretaria de Educação já teve tempo de sobra para se organizar para essa situação”.

A Festa do Pinhão

Tanto os vereadores da situação como oposição elogiaram a organização da 15ª Festa do Pinhão, parabenizaram os funcionários que fizeram acontecer.

Os vereadores da oposição questionaram o alto número de contratação de serviços com dispensa de licitação, entre eles o presidente do legislativo, o vereador Israel de Oliveira Santos, PT, “Festa foi boa, as pessoas estavam precisando desse espaço para se encontrar, porém, a  dispensa de licitações de valores de 123 mil reais é questionável.  Processo licitatório, além de garantir a  transparência, garante o melhor preço para o município. Outro ponto é o número reduzido de  entidades participando, é preciso colocar critérios, principalmente em um evento público”.


Compartilhe

Veja mais