ENTRE A BARBEARIA DO POP E A SALA DE AULA

O amigo leitor, bem provavelmente, já deve ter assistido ao seriado Luke Cage, da Netflix. Logo no início da primeira temporada, o seriado nos brinda com algumas cenas que, pessoalmente, considero muitíssimo relevantes para matutarmos algumas questões que afligem aqueles que atuam na seara da educação.

Luke trabalhava, e praticamente morava, na barbearia do Pop. O velho barbeiro era uma espécie de autoridade moral do bairro. Todos o respeitavam, inclusive os mafiosos.

Dentro da barbearia, que era uma espécie de santuário de civilidade, havia uma regra fundamental, que dava sustentação a inúmeras outras e que, por isso, permitiam que a barbearia fosse o santuário que era.

Naquele local não era permitido falar palavrões, muito menos partir para a porrada.

Se alguém falasse uma besteira dentro da barbearia, ou ousasse agir de modo mais ríspido com outra pessoa, bastava o Pop olhar que todos sabiam qual era a punição: colocar um dólar num vidrinho que ficava numa bancada.

Na verdade, não era necessário que ele ou alguém olhasse. Todos conheciam, entendiam e respeitavam a regra. A civilidade dependia disso.

E era muito interessante, e ao mesmo tempo engraçado, ver aqueles homenzarrões baixando a bola sem pestanejar e, cientes do malfeito, colocarem uma cédula dentro do vidrinho.

Essas cenas, ao seu modo, apresentam aos nossos olhos duas pedras fundamentais para a edificação dum ambiente civilizado: a presença duma autoridade moral reconhecida e reverenciada, juntamente com a existência de normas vivas, sustentadas com a aplicação de sanções claras e objetivas.

Agora, quando voltamos nossos olhos para o sistema educacional brasileiro, e para a sociedade dum modo geral, aí são outros quinhentos, infelizmente. Mas, no momento, procuraremos restringir o traçado de nossas reflexões apenas dentro das cercanias do sistema de ensinação verde/amarelo.

Primeiramente, não podemos nos dar ao luxo de esquecer que a noção de autoridade, dentro do sistema educacional, foi sendo corroída, de dentro pra fora, através da implementação de concepções pedagógicas equivocadas que inspiraram e fundamentaram as políticas públicas que se fazem vigentes em nosso país já há algumas décadas.

Hoje, apenas vivemos o cume desse processo de degradação. Aquele que um dia foi chamado, com toda honorabilidade, de mestre, hoje é apresentado como um reles facilitador.

Vejam só como são as coisas. Numa época em que a linguagem encontra-se corrompida até o tutano, nunca uma palavra foi tão precisa para descrever o estado de decomposição em que se encontra aquilo que, um dia, foi a tal da autoridade professoral. Imagino que os defensores desse tipo de estrovenga, não tinham parado pra pensar nisso.

Quanto aos limites, esses foram para as cucuias, diluídos gradativamente sob o augúrio de subterfúgios [supostamente] inclusivos. A consequência dessa dissolução, inevitavelmente, foi a deformação total do ato de educar.

Na barbearia do velho Pop, a punição era clara e objetiva; por isso, todos sabiam o que significava aquele ambiente e reconheciam a autoridade daquele bom barbeiro.

No sistema educacional brasileiro a figura é bem diferente. A reprovação sinalizaria ao jovem um limite que foi ultrapassado por ele; apontaria para o fato dele não ter preenchido os pré-requisitos mínimos para poder avançar e que, por isso, ele estaria tendo a oportunidade de poder re-provar que ele é capaz de fazer aquilo que é certo.

É. Seria assim, porém, desde muito, a palavra reprovação foi coberta por camadas e mais camadas de pressupostos pedagógicos – deformados ideologicamente sob as bênçãos do Patrono da educação desse triste país – que acabaram reduzindo a reprovação a um suposto “processo de exclusão”.

Aí, não é à toa que temos o vexame que, praticamente, há muitos anos vem se repetindo: aprovações [praticamente continuadas] mediante subterfúgios mil para poder apresentar números bonitinhos para os ingleses e demais estrangeiros verem e fingirem que creem.

Vale lembrar que toda a destruição do formalismo que garantia minimamente a autoridade professoral e o decoro do espaço escolar, não nos levou, em nem poderia levar, a construção dum ambiente com relações informais “humanizadas”, “democráticas” e profícuas. Não, porque aquilo que não tem forma não é informal, mas sim, amorfo. E, tudo que é amorfo, se for largado ao Deus dará, tende apenas a deformar-se. E essa deformação acaba criando um clima de anomia que, com o tempo, acaba se tornando a nova norma. Pois é. Esse tempo chegou.

Imagino que os defensores dessas práticas inovadoras não pensaram que tal populismo pedagógico acabaria por excluir gerações e mais gerações do acesso real ao universo do saber, agrilhoando-os na condição de analfabetos funcionais devidamente diplomados.

E os resultados do PISA estão aí para atestar essa tragédia.

Que fazer? O que fazer diante dum cenário como esse? Confesso, não sei. Na verdade até sei, mas estou plenamente cônscio de que me encontro de mãos atadas, podendo apenas escrevinhar sobre isso, num ato de confissão de minha total impotência diante do quadro dantesco que, bem ou mal, faço parte.

Escrevinhado por Dartagnan da Silva Zanela, em 12 de dezembro de 2019, dia de Nossa Senhora de Guadalupe.

#   #   #

Se você gostou desse troço, não se acanhe e compartilhe com seus amigos e colegas. Se não gostou desse trem, não se ofenda e compartilhe com os seus inimigos e desafetos.

Faça seu comentário

%d blogueiros gostam disto: