Continuidade e descontinuidade

A cada dia que passa, em nome de uma liberdade mentirosa, muitos valores e práticas tem se perdido devido a esse relativismo presente. Sou de um tempo em que o simples olhar de um pai significava muito, na hora do café “as visitas primeiro”, hoje “as crianças primeiro”. A falta de limites tem gerado crianças mimadas, que “mandam” na casa, consequentemente crescem sem saber enfrentar as lutas e dificuldades, que fazem parte da caminhada. O grande problema hoje é que houve uma descontinuidade de princípios aprendidos no decorrer dos anos, que hoje “não valem mais”, tudo é novo, novas verdades toma o lugar das velhas verdades. Em nome de uma privacidade esquisita, adolescentes, pré-adolescentes e crianças, não aceitam que os pais interfiram na sua vida, para saber o que estão acessando na Internet, quem são os amigos virtuais e não virtuais, o que estão jogando e muito mais. O caso do menino que se enforcou na “brincadeira do desmaio” é mais que um alerta para estarmos atentos ao que nossos filhos estão fazendo ou deixando de fazer. O que falta na verdade é resgatarmos princípios e valores perdidos no decorrer da caminhada e isso não é um retrocesso. Retrocesso é abrir mão de princípios e valores em prol de um relativismo besta que quer desconstruir todas as verdades, é por isso que o bandido tem proteção que o policial e a pessoa de bem não tem.  Se um adolescente desrespeita o professor, a culpa é da sociedade (tadinho dele), se um professor repreende o mesmo adolescente, o professor é opressor. Quanto aos princípios bíblicos então, são cruelmente atacados, como sendo antiquados, opressores, fora da realidade; quando na verdade é a falta da observância destes princípios e valores que tem gerado essa liberdade mentirosa, que lá na frente vai escravizar. O apóstolo Paulo aconselhou o jovem Timóteo a permanecer “naquilo que aprendestes e fostes inteirado” (2 Timóteo 3.14), no caso aqui, é permanecer na Palavra de Deus que é “inspirada por Deus e útil para ensino, para repreensão, para correção, para educação na justiça” (2 Tm. 3.16). O propósito das Escrituras Sagradas é formar filhos melhores, pais melhores, cidadãos excelentes, com tudo isso a família será melhor, enfim a cidade será melhor. A continuidade destes valores e a observância dos mesmos é que pode trazer esperança para o futuro. Não sou retrógado, mas pais ouçam o que a Palavra de Deus diz “Ensina a criança no caminho em que se deve andar e quando for grande, não se desviará Dele” (Provérbios 22.6). Que Deus nos ajude a permanecermos firmes nos valores e princípios que valem a pena e que possamos ensinar nossos filhos a permanecerem firmes nos mesmos valores e princípios. Assim veremos uma descontinuidade daquilo que é ruim e maléfico para a continuidade do que é bom e que vale apena ser seguido.

Rev Sandro Carvalho Rodrigues  – Fone: 99813992

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 3 =

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: