Humberto Silva Pinho

Por Humberto Pinho da Silva

Teixeira de Pascoais, grande poeta de Amarante, que faleceu em 1952, dizia: Escrevendo, cedo apenas a uma necessidade espiritual de revelação ou confissão.” – “S. Jerónimo”

É a “necessidade”da maioria dos que escrevem, em prosa ou verso.

Escrever é comunicar; conversar com o leitor. Várias vezes ouvi, o grande jornalista Costa Barreto, de: “ O Comércio do Porto”, afirmar: “ O jornal não tem leitores, mas sim os colaboradores”.

Também Lopez-Pedraz, disse: “ As razões convencem o homem, mas é o homem que escolhe as razões, que o convencem. E, naturalmente as escolhe de acordo com aquilo que quer convencer-se.”

Eu sei, ao emitir opiniões posso influenciar os que possuem sensibilidade igual ou semelhante à minha.

São os cronistas, muitas vezes, a voz, dos que não têm ou não querem ter voz.

Não é fácil escrever, para o público. Havia, no tempo de meus avós, velho adágio, que rezava, mais ou menos, assim: “ Quem edificou na praça, a muito se aventurou: uns dizem, que alta é; outros, de baixa não passou”.

Nem tudo que escrevo, agradará ao leitor. Mas também não escrevo para agradar ou convencer, seja quem for. Cada qual, ao ler-me, deve pensar assim: concordo ou não, com o que diz, e reflectir.

Certa ocasião, jovem estudante, referindo-se às minhas crónicas, publicadas in: “O Correio do Ribatejo”, enviou-me carta aberta, dizendo assim:

“ Quando o leio, nem sempre concordo com o que diz; mas faz-me pensar.

“ Confronto, então, com o meu parecer. Isso torna-me mais madura, e faz-me crescer e reflectir.

“ Quantas vezes, concluo: estava equivocada! Nunca analisei, o tema, por essa faceta…”

É o jeito inteligente, como se deve ler os meus textos, e dos outros cronistas; com espírito critico: “ Está certo ou errado?”

Este modo de ler, chamo: ler com inteligência, e ajuda a melhor compreender a colectividade.


Compartilhe

Veja mais