Chorando em frente ao espelho

Existe um tipo bem peculiar nos dias atuais, que é o senhor magnânimo sabe tudo intelectual seguidor das modinhas. E diga-se antes de tudo que o tipo é muito bom em defender seu ponto de vista.

Mas ele gosta de destilar todo seu veneno, de mostrar tudo o que aprendeu no grupinho das redes sociais, com os “filósofos” da nova (velha) ordem do “quem pode mais chora menos”, mas não quer que mais ninguém tenha liberdade de contrariá-lo. 

Nada mais do que se construiu antes vale, só o que a “modernidade” trouxe presta. Usa palavrório cheio de efeitos especiais e magias, se coloca como o portador de uma grande novidade, apesar de que suas idéias são lá do século XVIII. Ele é um ser das classes subalternas, mas gosta de se colocar como alguém de uma casta superior, e se torna assim um lambedor de botas do tipo mais ridículo que há.

Embebido de sua “sabedoria” made in O. C., ele se enerva quando topa com qualquer ser que discorde dele. Ataca, e infla seus discursos ainda mais. Como um pavão cutucado, abre sua calda cheia de “verdades” que aprendeu a cultuar ontem (diga-se de passagem, conhece-se seu ideário de anteontem), e esbraveja.

Cultuando idéias bem anacrônicas, lá do tempo da bipolarização, critica quem matem suas posições, diferentes das dele, óbvio. Gostando de apenas falar, e não de ser retrucado, retruca. Contrariado por ser alvo de alcunhas, ele enche seus contrários de nomes e epítetos. Ou seja, o ser em questão, ao derramar sua choradeira pelos cantos por onde passa, acaba por fazer exatamente o que critica. E a gente até respeita a posição do pobre diabo, mas acha que tem o direito igual de expor algo diferente, e aí é que a coisa fica feia mesmo! Ele faz beiço, e começa a lamúria.

Podemos então concluir que este tipo, chora em frente ao espelho, pois tudo o que o incomoda, está presente em suas próprias ações. E é, de fato, divertido ouvir (ou ler) suas choramingas, pois a gente vai tendo uma descrição do próprio ser, ali, descrito por ele mesmo. As ladainhas, cada vez mais longas e enfadonhas, vão sendo recheadas com mais e mais críticas, porém se esvaziam de justificativas plausíveis para o discurso original.

E ainda observa-se neste tipo de discurso uma falta de argumentos para defender seu mundo “o quanto pior melhor, desde que esteja na modinha”. É necessário atacar, é necessário desfazer, aviltar o outro lado. Só ele pode falar, só ele pode ser o certo, só sua loucura pode ser aceita, em sua visão limitada pelos antolhos que lhe foram colocados. Não que não haja loucura nos outros lados, mas como “de médico e de louco todo mundo tem um pouco”, há espaços para todas as manifestações ideológicas. Só que para o intelectual de hoje, não. Toda e qualquer idéia diferente deve ser destruída, xingada, rebaixada.  

Se eu topasse com alguém assim, eu diria: acalme-se meu nobre! Nem que seja na base do chá de camomila, pois nem sempre temos maracugina em casa, apesar de receitarmos para os outros. Cada um expõe aquilo que pensa, cada um tem seu espaço. E um não precisa já sair se esbaforindo em prantos só porque surge alguém contrário. Mantenha sua posição, pois é seu direito, e permita que outros o façam também. Não se pode criticar nos outros, aquilo que também aparece no espelho quando estamos em frente dele. E para constar: seu saber, sua formação, suas leituras e seus “achismos” não são superiores aos dos outros, são apenas diferentes.  

José Carlos Correia Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 3 =

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: