Capa e Editorial da Edição nº: 891

EDITORIAL

São as pessoas que melhoram as cidades

Tem uma historinha antiga que se conta no meio da educação, na qual um pai muito atarefado tendo um filho pequeno a querer sua atenção, cortou um mapa do mundo em vários pedaços e deu para o filho montar, acreditando que isso o ocuparia por muito tempo.

No entanto o menino voltou bem mais rápido do que o pai esperava e esse se assustou e perguntou como ele havia conseguido montar tão rápido e esse lhe disse, pelo mapa estava difícil, mas do outro lado tinha a imagem de um homem, e ele foi montando o homem e terminou dizendo, quando consertei o homem arrumei o mundo. É só uma historinha, mas a verdade é bem essa, quem faz as ruas, os bairros, as cidades, estados, país e mundo ficar um lugar bom de viver são as pessoas.

A rua só vai ficar limpa e agradável de caminhar nela se as pessoas que por ela transitam não jogarem lixo pelo chão, não roubar as folhagens ou as destruam, se cada um cuidar da frente da sua casa, fazendo calçadas que respeitem e facilitem o caminhar do outro. Quando falamos que as pessoas é que fazem o mundo melhor, estamos falando dos cidadãos, das pessoas comuns, pois é na ação cotidiana de cada um de respeito ao que é do  outro e das diferenças que cada ser traz em si, tornando-o único que se constrói um país sem corrupção e bom para todos viverem.

Como o mundo já anda assim, bem estragadinho, hoje é preciso que cada um faça a sua parte e um pouquinho mais, ou seja, que além de ser um sujeito responsável, que trabalha de forma honesta, é preciso estender a mão e ajudar os que têm mais dificuldades, como o projeto Felicidade em Produção, que visa ajudar as mulheres a melhorar a auto-estima e realizar atividades que geram renda e o mais legal do projeto é que as voluntarias dizem que quem mais aprende são elas.

Pois o conviver, o trabalhar com o outro e em prol do outro, não só torna o mundo melhor, mas acima de tudo torna cada um mais humano. Se existe uma coisa que torna a alma do bicho homem mais sensível e aberta ao outro é a poesia, assim, é um belo trabalho quando o educador dedica um tempo a ensinar poemas a seus pequenos alunos, seja a declamação, o gosto pela poesia ou a construção de poemas.

Assim, ler na página quatro os poemas dos alunos da escola Monteiro Lobato é dar um deleite à alma pela singeleza e pureza das crianças que confiam plenamente em um amanhã melhor e cabe a nós prepará-las para que de fato elas façam um mundo melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 8 =

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: