Cuidar do Meio Ambiente é um dever de todos e faz bem para saúde!

Por  Claudemir Gulak

Pesquisa aponta que mesmo depois do tratamento pelas empresas de saneamento básico e utilização de filtros domésticos, constou-se a presença de químicos, mais de 27 tipos de pesticidas!

Dados preocupantes em relação a contaminação da água, tida como potável, faz com que se busque uma solução imediata, principalmente pela parte governamental fiscalizatória ou num futuro muito próximo estaremos acometidos por epidemias de doenças incuráveis! Mais o que as autoridades estão fazendo para coibir, pesquisar, trabalhar, investigar essas questões?

Dados do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sigagua), órgão ligado ao Ministério da Saúde, publicou um levantamento que mostra a situação das águas nas cidades brasileiras. A pesquisa indicou que mais da metade dos municípios brasileiros tem a rios contaminados por agrotóxico. Os números mostram que 27 tipos de pesticidas foram encontrados nas torneiras de mais de 2.300 cidades do país. Os agrotóxicos estavam na água mesmo após o tratamento feito pelas empresas de saneamento básico. Os poluentes também foram encontrados depois da utilização de filtros domésticos. (https://cultura.uol.com.br/noticias/48053_metade-das-cidades-brasileiras-possui-agua-contaminada-por-agrotoxicos.html – Acessado em 19/05/2022)

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR É ATÉ QUE PONTO O CONSIDERADO “LIMITE DE SEGURANÇA” É SEGURO PARA GARANTIR A QUALIDADE DE VIDA DA NOSSA POPULAÇÃO?

Segue abaixo consulta realizada no MAPA DA ÁGUA (https://mapadaagua.reporterbrasil.org.br/municipios/pr/pinhao) no dia 19/05/2022, em que constam as substâncias encontradas na água do município de PINHÃO.

Detecções DENTRO DO LIMITE DE SEGURANÇA na água de Pinhão (PR) entre 2018 e 2020:

Substância(s) com o(s) maior(es) risco(s) de gerar doenças crônicas, como câncer:

Alaclor (Agrotóxicos)

Aldrin + Dieldrin (Agrotóxicos)

Atrazina (Agrotóxicos)

Carbendazim + benomil (Agrotóxicos)

Clordano (Agrotóxicos)

DDT + DDD + DDE (Agrotóxicos)

Diuron (Agrotóxicos)

Glifosato + AMPA (Agrotóxicos)

Lindano (gama HCH) (Agrotóxicos)

Mancozebe (Agrotóxicos)

Trifluralina (Agrotóxicos)

2, 4, 6 Triclorofenol (Subprodutos da desinfecção)

Arsênio (Substâncias Inorgânicas)

Cádmio (Substâncias Inorgânicas)

Chumbo (Substâncias Inorgânicas)

Cromo (Substâncias Inorgânicas)

Níquel (Substâncias Inorgânicas)

Nitrato (como N) (Substâncias Inorgânicas)

Nitrito (como N) (Substâncias Inorgânicas)

Selênio (Substâncias Inorgânicas)

Acrilamida (Substâncias Orgânicas)

Benzeno (Substâncias Orgânicas)

Benzo[a]pireno (Substâncias Orgânicas)

Cloreto de Vinila (Substâncias Orgânicas)

Diclorometano (Substâncias Orgânicas)

Estireno (Substâncias Orgânicas)

Pentaclorofenol (Substâncias Orgânicas)

Tetracloroeteno (Substâncias Orgânicas)

Tricloroeteno (Substâncias Orgânicas)

Substância(s) que também gera(m) riscos à saúde:

2,4 D + 2,4,5 T (Agrotóxicos)

Aldicarbe + Aldicarbesulfona + Aldicarbesulfóxido (Agrotóxicos)

Carbofurano (Agrotóxicos)

Clorpirifós + clorpirifós-oxon (Agrotóxicos)

Endossulfan (a, ß e sais) (Agrotóxicos)

Endrin (Agrotóxicos)

Metamidofós (Agrotóxicos)

Metolacloro (Agrotóxicos)

Molinato (Agrotóxicos)

Parationa Metílica (Agrotóxicos)

Pendimetalina (Agrotóxicos)

Permetrina (Agrotóxicos)

Profenofós (Agrotóxicos)

Simazina (Agrotóxicos)

Tebuconazol (Agrotóxicos)

Terbufós (Agrotóxicos)

Ácidos haloacéticos total (Subprodutos da desinfecção)

Trihalometanos Total (Subprodutos da desinfecção)

Antimônio (Substâncias Inorgânicas)

Bário (Substâncias Inorgânicas)

Cianeto (Substâncias Inorgânicas)

Cobre (Substâncias Inorgânicas)

Mercúrio (Substâncias Inorgânicas)

Urânio (Substâncias Inorgânicas)

1,1 Dicloroeteno (Substâncias Orgânicas)

1,2 Dicloroetano (Substâncias Orgânicas)

1,2 Dicloroeteno (cis + trans) (Substâncias Orgânicas)

Di (2-etilhexil) ftalato (Substâncias Orgânicas)

Tetracloreto de Carbono (Substâncias Orgânicas)

Triclorobenzenos (Substâncias Orgânicas)

FONTE:

Resultados dos testes: Sisagua/Ministério da Saúde (2018-2020). Dados baixados em novembro de 2021, não contempla atualizações e retificações feitas desde então. Base do Sisagua atualizada.

Divisão das substâncias em grupos: Organização Mundial da Saúde (International Agency for Research on Cancer), União Europeia, agência ambiental dos Estados Unidos (Environmental Protection Agency) e agências de regulação do Canadá e da Austrália.

Com o baixo investimento em pesquisas e a liberação historicamente exorbitante de nossos agrotóxicos, como controlar e garantir a qualidade de vida da população presente e daqueles que estão por vir?

Precisamos de políticas públicas coerentes e pesquisas que tragam melhores condições para uma agricultura mais sustentável e uma alimentação saudável. Assim consequentemente medidas que melhorem nossa qualidade da água que consumimos. É preciso consciência e ações concretas urgentes urgentíssimas!

Clique  👉 AQUI   – PARA LER OUTROS ARTIGOS


Compartilhe

Veja mais