Saúde alerta sobre incapacidade física causada pela hanseníase

Agência de Noticias do Paraná – Mesmo com os avanços no tratamento e combate à hanseníase no Paraná, o número de casos de incapacidades físicas causadas pela doença tem aumentado, o que indica a ocorrência de diagnósticos tardios. O alerta é da Secretaria de Estado da Saúde.

Em 2017 foram diagnosticados 561 casos novos de hanseníase no Paraná, sendo 38,6% já com incapacidades físicas visíveis, funcionais ou dificuldade na realização das atividades de vida diária. A maior parte foi registrada entre pessoas em idade produtiva.

Como explica a superintendente de Vigilância em Saúde, Júlia Cordelinni, o Paraná tem apresentado queda em torno de 20% no número de casos de hanseníase, quando o esperado seria uma queda anual de cerca de 5%. O dado indica subdiagnóstico, ou seja, que há situações em que a doença existe, mas não é identificada ou o é tardiamente.

“A hanseníase é uma doença silenciosa, oculta em sua fase inicial, podendo passar despercebida por muitos anos. Para que a detecção precoce dos casos aconteça, é fundamental que as unidades básicas de saúde mantenham portas abertas, com profissionais acolhedores e conscientes”, explica Júlia.

O encaminhamento para diagnóstico com especialistas é a principal forma de detecção da doença no Estado, mas é a mais demorada. O ideal, como ressalta Jaqueline Finau, da Coordenação Estadual do Programa de Controle da Hanseníase, é que o diagnóstico da hanseníase seja feito já nas unidades de saúde. “As pessoas precisam procurar o serviço de saúde assim que percebam algum sinal de alerta na pele ou no corpo, antes de haver o comprometimento dos nervos ou dos membros”, diz.

MOBILIZAÇÃO – O Paraná incluiu no calendário oficial do Estado o dia 26 de maio como Dia Estadual para Conscientização, Mobilização e Combate à Hanseníase. Em 2018, a ideia é que os municípios paranaenses identifiquem quem teve contato com pessoas diagnosticadas com hanseníase nos últimos cinco anos.

Em 2017, 2,9% dos novos casos de hanseníase foram detectados a partir do exame de contatos. Desses casos, nenhum apresentava incapacidade física. Como explica o médico dermatologista da Coordenação Estadual de Hanseníase, Thiago Berestinas, uma vez que a doença é transmitida por contato próximo e prolongado, as pessoas que residiram com o doente, têm maior risco de desenvolver a doença. Por isso, o acompanhamento dos contatos é fundamental no combate à doença. “Essa identificação é chave para quebrarmos a cadeia de transmissão, promover o diagnóstico precoce e a consequente redução das incapacidades físicas”, diz.

A proposta é que os municípios avaliem pelo menos 80% dos contatos de casos registrados e realizem também busca ativa em populações de maior risco para a doença, como, por exemplo, homens acima de 60 anos e pessoas com resistência diminuída.

TREINAMENTO – Para dar mais subsídios aos profissionais de saúde dos municípios que atuam no diagnóstico da hanseníase, a Secretaria de Estado da Saúde promoverá um treinamento sobre avaliação dermatoneurológica. A capacitação, por videoconferência, está programada para o dia 13 de julho. O exame dermatoneurológico é importante porque avalia pele e nervos, facilitando o encontro de sinais da doença precocemente.

DIAGNÓSTICO – O diagnóstico precoce é a principal forma de evitar a ocorrência de incapacidades físicas decorrentes da hanseníase. Uma vez identificada a doença, o tratamento é iniciado, sendo bastante eficaz. A medicação utilizada é a poliquimioterapia e o tratamento tem duração de 6 ou 12 meses. Após iniciar a medicação, não há risco de transmissão da doença.

Jaqueline ressalta que é preciso manter o tratamento pelo tempo determinado pelo médico, mesmo que não haja mais sintomas aparentes da doença. “O sistema público de saúde oferece gratuitamente acompanhamento médico nas unidades de saúde e a medicação que cura a hanseníase. Mas os pacientes precisam ter a responsabilidade de mantê-lo até o fim”, explica.


Veja abaixo alguns sinais que podem indicar a doença
Manchas ou áreas da pele esbranquiçadas, acastanhadas ou avermelhadas, com alterações de sensibilidade ao calor, dor ou tato (a pessoa se queima ou se machuca sem perceber)
Manchas com diminuição ou ausência de suor no local
Nódulos e caroços no corpo, normalmente sem sintomas
Formigamentos, choques, câimbras ou dormência face e membros
Diminuição ou perda de força muscular, principalmente nos membros superiores e inferiores e, por vezes, pálpebras (a pessoa tropeça com frequência)
Diminuição ou queda de pelos, localizada ou difusa, especialmente nas sobrancelha
Entupimento, feridas e ressecamento do nariz
Ressecamento e sensação de areia nos olhos.


 

Receba nossas atualizações

Inscreva-se e logo estará recebendo nossas atualizações

I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )

O seu email está 100% seguro. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − 1 =

%d blogueiros gostam disto: