DOENÇAS RESPIRATÓRIAS: Inverno requer cuidados especiais

Roger.jpg

Médico Roger Gastan Olivares Borrego (Foto: Gisele de Pádua)

Nesta época aumenta a procura por consultas e medicamentos para curar ou amenizar alguns sintomas

As baixas temperaturas contribuem para que gripes, resfriados, amidalite e dor de ouvido se espalhem rapidamente.

Mas nem sempre espirrar é sinônimo de um resfriado, pode ser sintoma de outras doenças como bronquite, rinite e sinusite, que costumam aparecer nestes dias mais frios e tem suas diferenças.

A renite tem como região atingida as mucosas que revestem as cavidades do crânio. Inflamada, a mucosa incha, o nariz entope e produz coriza. Uma boa assoada já expele o agente invasor. Se o problema persistir, pode ser necessário usar descongestionantes e antinflamatórios.

A sinusite tem como região atingida os seios faciais (buracos ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos). Quando inflamadas, essas cavidades acumulam secreções, entopem e dão dor de cabeça, febre e coriza espessa. O tratamento exige descongestionantes e antinflamatórios, e nos casos mais graves, antibióticos.

A bronquite atinge os brônquios (tubos que conduzem o ar da traqueia até os alvéolos) que ficam contraídos e cheios de secreção. É necessário o uso de antinflamatórios e broncodilatadores, para abri-los e melhorar o fluxo de ar, como medicamentos utiliza-se xaropes expectorantes.

PREVENÇÃO

O médico Roger Gastan Olivares Borrego lembra que muitos males podem ser evitados com prevenção e cautela. Conta que está no Pinhão há dois anos e que já observou as mudanças acentuadas de uma estação para outra. “Desde que começou a esfriar o número de pacientes apresentando sintomas como tosse e coriza vêm aumentando a cada dia”.

Segundo o médico, o mais importante é conhecer o organismo e, se possível, tomar a vacina da gripe, principalmente aqueles que fazem parte do grupo de risco, entre eles idosos com mais de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, mulheres com pós-parto de até 45 dias, doentes crônicos e profissionais da saúde. “Os casos da doença aumentaram muito de 2015 para 2016”, alerta.

Par evitar ficar doente, ele não recomenda tomar um banho quente e sair em seguida para fora de casa. Diz, que o corpo precisa se acostumar aos poucos com a mudança climática.

Lembra, também, que não se deve fazer uso de medicamentos por conta própria, é necessário uma orientação médica, pois cada indivíduo reage de uma forma, em alguns pode provocar o início de uma nova doença. “Devemos tomar medicamentos prescritos pelo médico. Recomendamos manter limpas as roupas de cama, especialmente os cobertores que costumam ser morada de ácaros. O pó da mobília e do chão devem ser limpos com pano úmido, evitando o levantamento da poeira. Em dias de sol é bom deixar a luz arejar a casa. E lavar as mãos constantemente para evitar que vírus e bactérias se proliferem”.

HIDRATAÇÃO

A população de um modo em geral não tem o hábito de tomar líquidos, principalmente no inverno. Mas manter o organismo hidratado é uma forma de expelir secreções do corpo, assim como o uso de soro fisiológico nos olhos e narina para evitar sua irritação.

A alimentação exige um cuidado especial. Aos apreciadores de sopas e caldos a estação é prefeita para seu consumo, deve ser rica em legumes e verduras acompanhadas de carnes magras. As frutas também são essenciais principalmente as que contem vitamina C, como a laranja e o mamão. “Exercícios físicos são ótimos aliados para aqueles que possuem doenças pulmonares, como asma, bronquite, entre outros. Recomendamos a natação por ser completa e trabalhar com todo o corpo”, frisou o Roger Borrego.

TUBERCULOSE

A tuberculose é causada por uma bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis. Essa bactéria pode ser transmitida de uma pessoa para outra através do ar, ao falar, espirrar ou tossir, o doente liberta gotículas que podem conter até dois milhões de bactérias. O risco de transmissão depende do grau de arejamento do local, da existência de luz solar e da quantidade de bacilos libertados, que podem permanecer em suspensão no ar durante horas.

Também pode estar dormente no organismo de um indivíduo e ficar ativa quando existe a queda da imunidade. É uma doença que tem cura e seu tratamento exige o uso de antibióticos específicos controlados.

Os sintomas são tosse prolongada por mais de três semanas e, em alguns casos, com expetoração raiada de sangue, febre não muito elevada, sobretudo ao fim do dia, suores noturnos, dores no peito e nas costas, falta de apetite, emagrecimento lento e progressivo e cansaço. “É necessário evitar acumulação de pessoa em ambientes fechados onde o ar não circula. As professoras devem manter as janelas das salas de aula com uma abertura suficiente para que o ar seja renovado constantemente”, alertou o médico.

CHÁ

No inverno aumenta a procura por alimentos quentes, como sopas, fondues, quentão, chimarrão, chocolate quente, cappuccino e chás. A chegada do frio faz com que as pessoas busquem uma forma de manter o corpo aquecido consumindo alimentos que elevem a temperatura, pelo menos por alguns minutos. Entre os alimentos citados, o chá é um dos mais consumidos por sua leveza e praticidade.

O chá é uma bebida conhecida mundialmente, apreciado pelo seu sabor suave e aroma agradável pode ser ingerido a qualquer momento. São inúmeras as combinações para esta bebida: frutas, flores, especiarias, ervas, raízes. Para o inverno, entre os mais recomendados, estão os Chá Verde e Chá Branco, que possuem ação antioxidante e atuam como termogênico, ou seja, possuem substâncias ativas que aceleram o gasto energético e, também, combatem os efeitos dos radicais livres no organismo. O Chá Branco ajuda a diminuir as taxas de LDL (colesterol ruim) e o Chá Verde é fonte de cafeína.

SUGESTÃO

Como sugestão para aquecer nesse inverno uma a receita de Chá de Frutas. Os ingredientes são os seguintes: uma maçã, um maracujá, duas fatias de abacaxi, dois litros de água, dois paus de canela, cinco cravos-da-índia, mel para adoçar.

Leve ao fogo meia xícara de água com a maçã, o maracujá e o abacaxi já cortados em fatias, a canela e os cravos, cozinhe durante 5 minutos. Acrescente o restante da água e deixe ferver durante dez minutos em fogo brando. Coe e sirva quente. Se quiser, adoce com mel.

Compartilhe!

One thought on “DOENÇAS RESPIRATÓRIAS: Inverno requer cuidados especiais”

  1. Reigieli disse:

    O nome correto é Rinite, e não Renite, como está no texto. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *