ENTRE UM PITO E OUTRO

Embala o corpo tranqueando

De rédeas s15obre o pelego,

E da destreza dos dedos

Nasce um crioulo ancestral,

Que habita o mundo rural

Dos que mastigam caminhos,

Pois quando se está sozinho

Um fumo é fundamental!

Entre um pito e outro

penso e repenso a vida,

entre pateadas e idas

recordo o que já passou

nas madrugadas solito estou

com meus recuerdos buenos

é por gostar dos serenos

que o criador me legou!!

Marcos Serpa de Lima
Escritor e Compositor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 2 =

%d blogueiros gostam disto: