Capa e Editorial da Edição nº: 805

Mito…

É muito comum as pessoas e inclusive das lideranças políticas e civis que moram em cidades pequenas do interior, acreditarem que para o município crescer, se desenvolver, é preciso trazer uma grande industria. Muitos inclusive gastam tempo e esforços em busca dessas grandes empresas e industrias esquecendo que, na grande maioria das vezes, essas industrias exigem muito para vir e trabalham com mão de obra muito especializada gerando  muito  menos emprego, que se imagina e se deseja e normalmente – empregos secundários. Quando na realidade para um município crescer e se desenvolver é preciso ver a vocação da região. Ter uma vocação agrícola não é problema algum. O problema são as pessoas pensarem pequeno. Pois inclusive no ano passado um dos setores que foi pouco atingido pela crise econômica foi o do agronegócio. Ter vocação agrícola não é problema desde que quem esteja à frente da gestão municipal não pense pequeno e perceba que o importante é  garantir qualidade e  agregar valor aos produtos. Isso se percebe no município de Reserva do Iguaçu, onde a gestão não tem a intenção e nem se desgasta com grandes projetos, mas vai sim pensando e buscando formas de aprimorar e melhorar o que eles tem e em abundancia – a produção agrícola familiar. O projeto Mais Orgânico é uma demonstração desse trabalho. Outra coisa importante hoje, para quem está à frente de um município é ter a clareza que sozinho não se vai longe, na verdade, na maioria das vezes, não se sai do lugar. Outro ponto que se vê nesse projeto, a busca de parcerias com várias entidades e instituições, e até a parceria com empresas de fora de médio e grande porte, mas que vem para comprar, deixar seu dinheiro no município. Num momento em que os holofotes mostram a todo momento a corrupção no planalto,  é bom ver que os políticos mais próximos estão de fato preocupados com a melhoria da qualidade de vida dos munícipes e o  crescimento real do município. Claro, não quer dizer que aqui pertinho não se tem políticos corruptos. Tem e também fazem estragos grandes, e nem precisa se esforçar para procurar. Bem pertinho, há bem pouquinho tempo, teve município que foi muito mais que explorado, pode se dizer que foi dilapidado.  Desenvolvimento? Passou longe, inclusive se olhar com atenção, o que existia deixou perder, depredar, acabar. Por sinal é preciso não esquecer, não ignorar o passado, pois ele ensina e de fato mostra quem de fato trabalha pelo povo e quem só tem discurso, fala mansa e cativante, mas que na ação é lobo, e lobo devorador. Como todo lobo, pode se transvestir de carneiro e sempre querer voltar, é sempre bom estar atento. Até porque o mal feito pode ser consertado, mas demanda tempo, dinheiro público e sacrifício, principalmente do povo. Porque a historia de que o raio não cai duas vezes no mesmo lugar é puro mito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − 7 =

%d blogueiros gostam disto: