A ordem dos desiguais e combinados

Porque tudo ao mesmo tempo agora, sem eira nem beira

Prof. Dr. Manuel Moreira da Silva

O trotskista George Novack escreveu certa vez a respeito da assim chamada lei do desenvolvimento desigual e combinado da sociedade. Essa lei, por mais estranha que pareça, de fato se mostra operante, aqui e aqui, neste grandioso país ao inferno aberto; em um único dia fomos bombardeados de diversas maneiras. Ser brasileiro é para os fortes!

Início do dia 29 de novembro no Brasil, últimas horas do dia 28 na Colômbia. Avião de companhia aérea boliviana que levava a simpática Chape para o jogo mais importante de sua história cai na Colômbia e dizima a equipe, além de cronistas esportivos de pelo menos dois órgãos de imprensa. A companhia, cujo único avião, de 17 anos, caíra em função de “falhas técnicas”, tivera pedido negado pela ANACpara um voo direto de Guarulhos a Medellín; mas porque a Chape contratara justamente a Lamia Airlines? E por que a mantivera, mesmo depois do veto da ANAC?

Durante o dia, a Câmara de Deputados discute e termina por votar o esperado pacote anticorrupção, sem anistia aos políticos criminosos. Isso para logo depois, já na madrugada do dia 30 de novembro, mudar o famigerado pacote e aprovar a punição de juízes e do Ministério Público. Esse deveria defender o regime democrático, mas, de certo modo, terminou por colaborar com os setores ora no poder e agora cujos procuradores são postos na berlinda justamente por aqueles a quem ajudaram da destituição do governo anterior. Já há relatos de Procurador que investira no Minha Casa Minha Vida…

Ainda no dia 29 de novembro, o Senado Federal aprova a PEC 55 em primeiro turno e abre caminho ao congelamento dos investimentos em saúde e educação por 20 anos. Não obstante, à tarde, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, elogia a classe política brasileira, afirmando sua excelência. Pari passu, diante do Congresso Nacional, a Polícia Militar (PM) reprime violentamente os manifestantes contrários à PEC 55. Meses atrás,a PM tirara fotografias com manifestantes que reivindicavam intervenção militar no país;estes cujos atos eram amplamente divulgados pela grande imprensa. As manifestações de agora parecem merecer somente notas pejorativas.

Por que nos elevamos tão alto e caímos tão rápido? Se há de fato uma ordem necessária sob o caos e as contradições do desenvolvimento perceptível, como acessá-la? Não seria ela apenas as imagens que os meios de comunicação de massa nos impõem? Aceitamos isso de bom grado?

Prof. Dr. Manuel Moreira da Silva

Departamento de Filosofia, UNICENTRO

Receba nossas atualizações

Inscreva-se e logo estará recebendo nossas atualizações

O seu email está 100% seguro. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − treze =

%d blogueiros gostam disto: